Funcionários do Google em poses malandras no escritório da empresa em Sydney, Austrália.

O Google Cloud, plataforma de computação em nuvem do Google, está em crescimento acelerado no país: em 2018, o número total de clientes aumentou um pouco mais de quatro vezes (330%) enquanto o número de revendas aumentou cinco vezes.

Os dados foram divulgados durante o Google Cloud Summit 2018, evento da empresa realizado na semana passada em São Paulo com um público de 4 mil pessoas.

O que eles querem dizer exatamente não fica muito claro, uma vez que o Google não abriu nenhuma outra informação que permita colocar eles em contexto (e também não adianta procurar elas no Google). 

É provável que a multiplicação de clientes e parceiros tenha sido tão acelerada porque a base inicial era baixa. Também não é possível saber o tamanho dos projetos entregues para os clientes ou a relevância dos parceiros locais.

Em nota, o Google aponta o crescimento como reflexo do aniversário de um ano da Cloud Region em São Paulo, primeira região de nuvem do Google Cloud na América Latina.  

Lançada em setembro de 2017, a Cloud Region atende também clientes do Chile e da Argentina, com redução de até 95% da latência. O Brasil também foi o primeiro país a permitir o pagamento em moeda local. 

Em julho, Fábio Coelho, presidente do Google no Brasil, abriu para o Valor Econômico que a empresa tinha investido R$ 700 milhões no Brasil durante os últimos 15 meses, mais do que havia feito nos três anos entre 2013 e 2016, quando o valor foi de R$ 500 milhões. 

O investimento foi feito na sua maior parte em três cabos submarinos, aumento do data center para serviços de computação em nuvem e um estúdio para produtores de conteúdo do YouTube no Rio de Janeiro.

O Google deve manter um ritmo de investimentos forte, ainda que menor, nos próximos anos, com uma média de gasto previsto por ano de R$ 125 milhões.

O Google não abre dados de faturamento por aqui. A estimativa é que o site seja metade do metade do mercado de publicidade na Internet no país, que chegou a R$ 14,8 bilhões no ano passado, uma alta de 26% segundo dados do Interactive Advertising Bureau.

Questionado pelo Valor, Coelho deu uma dessas respostas enigmáticas que os executivos de multinacional dão para dizer alguma coisa, dizendo que o Google teve um “crescimento de dois dígitos saudável no ano passado e o primeiro dígito não é um 1 nem é 2”, o que situa o crescimento em qualquer coisa entre 30% e 99%.

Como sinalizam as pistas que a empresa dá aqui e ali sobre o seu tamanho, o Google parece estar empenhado em incrementar sua visibilidade no Brasil.

Em abril, a companhia anunciou o que Cloud OnBoard, maior programa do Google Cloud para capacitação de desenvolvedores, iria dobrar de tamanho em 2018. 

A edição deste ano conta com 10 mil vagas em seis capitais do Brasil.

Todos os treinamentos serão ministrados em estádios de futebol nas cidades de Salvador, Recife, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Porto Alegre e São Paulo.