Melhor se cuidar. Foto: divulgação.

Uma pesquisa divulgada pela AVG destacou que, mesmo sabendo que os dispositivos móveis estão na mira dos cibercriminosos, boa parte dos usuários de smartphones ainda nâo toma medidas de proteção. Cerca de 86% dos usuários não utilizam senhas para bloquear o acesso aos seus dispositivos.

Segundo a fabricante de antivírus, 70% dos entrevistados brasileiros sabem dos riscos que correm, mas mesmo assim não tomam providências.

No caso dos tablets, o número de usuários descuidados é menor, mas ainda assim é grande: 54%.

O uso da internet por meio de dispositivos móveis deve chegar a 300 milhões em 2013 no Brasil, fazendo deste um mercado atrativo para os cibercriminosos, afirma a AVG em comunicado.

Para Mariano Sumrell, diretor de marketing da empresa, os brasileiros ainda não saibam ao certo de onde podem vir as ameaças, mas já estão agindo de forma prudente em alguns casos.

“A pesquisa nos mostrou, por exemplo, que 88% das pessoas estão usando wi-fi público, mas apenas 26% dessas pessoas fazem transações bancárias quando conectados com o tablet a essas redes.

Quanto à exposição de dados aos desconhecidos, o estudo apontou que 32% temem o vazamento de fotos da família e amigos, 21% se preocupam mais com o acesso a senhas e informações financeiras, a mesma quantidade de pessoas teme por suas fotos íntimas e 9% preocupam-se com a visualização de seus dados telefônicos por terceiros.

Mais de 70% dos entrevistados afirmaram não expor suas senhas a terceiros e 80% disseram não armazenar informações financeiras nos smartphones ou tablets.

Em contrapartida, mais da metade dos entrevistados não sabia que, enquanto navegam, podem ter dados de seus dispositivos rastreados por empresas de comércio online e de telefonia.

“O próximo passo é a compreensão sobre as diversas modalidades de infecção em dispositivos móveis e as formas de evitar esse tipo de incidente”, reforça Sumrell.

AUMENTO EXPONENCIAL

Um estudo divulgado pela empresa de segurança Eset divulgou que em 2013, o crescimento de infecções em dispositivos com o sistema operacional Android será exponencial.

A pesquisa aponta que o crescimento veloz da adoção dos smartphones e o crescente uso desses dispositivos para operações financeiras está chamando a atenção dos cibercriminosos para o mercado móvel.

Segundo a Eset, os dispositivos Android aumentaram a sua fatia no mercado, subindo de 43% em 2011 para 64% do mercado neste ano, se tornando o novo alvo preferido dos criminosos, principalmente nas aplicações de mobile banking.

De acordo com o levantamento, é esperado que no próximo ano, 530 milhões de pessoas utilizem serviços bancários de seus smartphones. Isto representa um aumento de 76% comparado com 2011.