Empresa permitiu que startups residentes utilizem o local, mas sugeriu trabalho em casa. Foto: divulgação.

O Google decidiu suspender as atividades de visitação e eventos em seu campus para startups em São Paulo por conta da pandemia do coronavírus.

De acordo com o site Tele Síntese, a medida vale a partir de segunda-feira, 16, e o local ficará fechado para estas atividades até a segunda ordem.

A empresa permitiu apenas que as startups residentes, que ocupam o espaço de forma permanente enquanto passam por mentoria, mantenham os trabalhos no local. A americana sugeriu, no entanto, que os funcionários trabalhem em casa. 

Entre as startups que fazem parte do programa, estão a fintech 12min, a agência digital Ahazou e a plataforma Cosmobots, de criação e gestão de chatbots, além de outras cinco empresas.

O anúncio das startups selecionadas para a turma de 2020 está previsto para março e o início das atividades, para abril, mas a empresa ainda não se pronunciou sobre alterações nas datas.

O objetivo da medida de prevenção ao coronavírus, de acordo com a empresa, é prevenir que funcionários e visitantes se exponham desnecessariamente a riscos de contágio da doença.

“Com base nas mais recentes atualizações de políticas do Google e em consideração à saúde e segurança pública em geral, decidimos fechar o Campus Café e suspender todos os eventos abertos ao público a partir da próxima segunda-feira, dia 16/3, até novo aviso”, disse a companhia em comunicado divulgado pelo Tele Síntese.

Ainda de acordo com a publicação, a recomendação abarca todos os recursos humanos do Google na América Latina. Em todos os escritórios, a companhia abriu a possibilidade para que os funcionários façam home office. 

“Diante da evolução do coronavírus (COVID-19) na América Latina, estamos oferecendo aos nossos funcionários na região a opção de trabalhar de casa. É uma medida preventiva que prioriza a saúde e a segurança de nossos colaboradores”, informou a empresa ao Tele Síntese. 

Na última quinta-feira, 12, o Twitter reagiu ao coronavírus mandando todos os seus funcionários para o home office e classificou a situação como “sem precedentes”.

Outras gigantes americanas da tecnologia, como SalesForce e Microsoft também decretaram a proibição de viagens internacionais, participação em eventos e estão incentivando o home office sempre que possível, começando nos escritórios em zonas críticas e agora por todo o país.

No Brasil, companhias como a XP e a Mastercard, nas quais funcionários foram diagnosticados com o coronavírus, tomaram medidas incluindo quarentenas, desinfecções e incentivo a home office.

A E-Core, empresa de desenvolvimento de software sediada em Porto Alegre, determinou que todos os seus 320 funcionários trabalhem de casa na próxima semana.