Seu smartphone pode ser a chave. Foto: flickr.com/photos/N000@2

Um smartphone pode ser a chave de sua casa. De acordo com um projeto de estudantes da Universidade de Brasília, este é o futuro.

Um grupo de seis amigos, todos membros da empresa Loop, criaram um app que permite abrir portas através do telefone, usando uma conexão sem fio à internet, conforme reporta o g1.

A aplicação, desenvolvida durante dois meses e nasceu de uma necessidade pessoal, segundo aponta Pedro Salum, estudante do curso de Engenharia de Computação.

“Eu adoro esquecer chave, vivia esquecendo. Então pensamos em tentar desenvolver alguma coisa para resolver esse problema, já que acontece com todo mundo. E hoje em dia a gente vive com o celular na mão, né. Então era garantia de juntar o útil ao agradável”, afirma.

Aplicações semelhantes já são testadas em hotéis nos Estados Unidos e na Europa. No entanto, para o consumidor final, ainda não emplacou.

Para rodar o sistema eletrônico, é preciso uma central conectada à internet e à energia elétrica, de uma fechadura eletrônica – semelhante às de portões, comprada em lojas comuns – e do celular.

Para manter o ambiente seguro, é necessário também o acesso às senhas do wi-fi, para evitar que qualquer pessoa consiga abrir a porta. É possível abrir a porta a qualquer distância.

Segundo os estudantes, com este recurso, é possível permitir a entrada de pessoas, como amigos ou familiares, mesmo que eles não tenham a chave.

O uso do sistema eletrônico também permite outras funçõs, como agendar horários para o destrancamento da porta.

"Você pode autorizar para uma única situação ou pode permitir que um funcionário da sua casa possa acionar o comando de segunda à sexta, nos dias em que ele trabalha, por exemplo", explica Daniel Sandoval, um dos desenvolvedores.

A expectativa é de que o serviço esteja disponível no mercado no início de 2014 e que, junto com os custos de instalação dos equipamentos, custe até R$ 500.

O aplicativo, por enquanto disponível apenas para iPhones, havia sido baixado por 500 pessoas na App Store. A expectativa é conseguir adaptá-lo também para outros sistemas operacionais no próximo semestre.

De acordo com Sandoval, o plano é ampliar a tecnologia para abrir persianas e acender a luz, e no futuro transformar a tecnologia em um sistema moderno e integrado de segurança, permitindo que moradores de um condomínio possam abrir os portões sem precisar do controle eletrônico.

“A gente enxerga que esse é um ponto inicial para coisas mais elaboradas. A tendência é evoluir, mas sempre com o foco no baixo custo. Não faz sentido fazer se as pessoas não puderem adquirir”, afirma.