MVNO dos Correios é autorizado. Foto: divulgação.

Parece que agora, depois de anos de adiamento, vai engrenar a operação de telefonia com rede virtual (MVNO, na sigla em inglês) da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos.

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, assinou na semana passada, a portaria autorizando a os Correios a explorarem a prestação de serviços de telefonia. O documento foi publicado na edição desta segunda, 12, do Diário Oficial da União.

Com a autorização, a empresa poderá firmar parceria com empresas do setor de telecomunicações para oferecer o serviço a seus clientes, de acordo com a regulamentação prevista pela Anatel.

Segundo aportaria, essa parceria comercial poderá ser implementada com a constituição de subsidiárias ou a aquisição de controle ou de participação acionária em empresas já estabelecidas.

No entanto, antes de seguir adiante, o negócio exigirá estudo de viabilidade econômico-financeira do modelo de negócios a ser implantado.

Caso decole, para impulsionar o serviço, os correios devem utilizar a capilaridade de sua rede de agências, com 12 mil unidades em todo o país, inclusive em municípios em que muitas operadoras possuem sinal, mas não contam com pontos de venda.

"Assim, por exemplo, o cidadão residente em uma área remota, onde não há hoje pontos de vendas de serviço móvel pessoal, poderá ter atendimento presencial para conhecer, compreender as funcionalidades e contratar o serviço de telefonia móvel dos Correios", afirmou a empresa em nota à imprensa.

Segundo dados da consultoria britânica Oxford Strategic, os Correios brasileiros, que detém monopólio da entrega de correspondência no país, estão em nono lugar entre empresas postais das 20 maiores economias do mundo.

O número de encomendas entregues por carteiro foi de 526 em 2010 — na alemã Deutsche Post, privatizada em 1995 e sem reserva de mercado, cada profissional fez 4.500 entregas.

Em fevereiro, a ECT e o Grupo Poste Italiane firmaram acordo para o lançamento de operador móvel por rede virtual, ou MVNO. Pelo acerto, será criada uma joint venture com base na experiência da italiana Poste Mobile – braço de MVNO do Correio italiano foi criado em 2007 e tem 3 milhões de clientes.

Desde 2011, os Correios falam na possibilidade de criar sua operação de telefonia. Embora em 2012 a instituição anunciasse plano de iniciar esta atuação ainda em 2013 e agora passe o projeto para o terceiro trimestre de 2014, a meta é ter até cinco milhões de usuários em três anos, a contar do início da oferta.

Outra investida da ECT surgiu no ano passado, quando governo brasileiro encomendou aos Correios o desenvolvimento de um sistema nacional de e-mail gratuito, usando a plataforma Expresso v3, criada pelo Serpro.