Produto ficará disponível na próxima atualização do aplicativo. Foto: divulgação.

O Banco Inter anunciou que vai lançar a Intercel, sua operadora virtual de telefonia celular, no próximo dia 20 de maio.

De acordo com o site NeoFeed o produto ficará disponível na próxima atualização do SuperApp do banco, marketplace lançado em novembro do ano passado.

A Intercel será o que o mercado chama de operadora virtual, um negócio conhecido como Mobile Virtual Network Operator (MVNO), nicho que conta com uma participação de 0,57% do mercado.

A infraestrutura será da Surf Telecom, mesma empresa que faz esse tipo de serviço para a Magazine Luiza e para os Correios. Ela proverá dados e voz, enquanto o Banco Inter venderá os planos.

Com 400 mil clientes que fazem recarga de outras operadoras através do banco, o Inter planeja chegar a 1 milhão de clientes até a metade do ano que vem.

Para capturá-los, a empresa pretende oferecer planos entre 15% e 20% mais baratos do que os das grandes operadoras, cobrindo todo o território nacional. 

No futuro, a companhia deverá fazer vendas casadas de planos e aparelhos celulares com os mais de 100 parceiros que ela tem no seu SuperApp - que devem chegar a mais de 200.

Entre eles, estão empresas como Casas Bahia, Multilaser, Swarovski, Extra, Unilever, Cobase. São produtos que vão de televisões de R$ 5 mil a gift cards de R$ 20 na Google Play.

No primeiro trimestre, 362 mil clientes compraram algum tipo de produto na plataforma, movimentando R$ 100 milhões entre o início do ano e a primeira semana de maio. A meta é movimentar mais de R$ 600 milhões até dezembro.

Depois do dia 18 de março, quando a crise causada pela Covid-19 explodiu, o volume transacionado na plataforma cresceu 82% e o melhor mês de faturamento foi abril, com R$ 31 milhões em vendas.

O Banco Inter tem 5 milhões de correntistas e tem conquistado 320 mil novos por mês.

“O crescimento é exponencial. Só que o legal é que, quando você agrega os produtos não financeiros, passa a ter uma terceira dimensão que não tinha antes. Não estou trabalhando mais com área, é com volume. E isso é muito poderoso, mais exponencial ainda”, destacou João Vitor Menin, presidente e acionista do Banco Inter, ao NeoFeed.

O mercado de fintechs e de telecomunicações parece estar passando por uma aproximação no Brasil.

Nas últimas semanas, a TIM fechou um acordo com o C6 Bank para fazer ofertas combinadas de serviços bancários digitais e de telecomunicações aos clientes.

A intenção é transformar o pré-pago em um cartão de débito, aproveitando as cerca de 400 milhões de recargas feitas mensalmente pelos clientes da operadora.

Ainda de acordo com a publicação, a estratégia do Banco Inter lembra a de gigantes de tecnologia chinesas como Alibaba e Tencent. Esta última é dona do WeChat, um super aplicativo que conta com serviços financeiros, varejo e outros.

Na América do Sul, o Mercado Livre fez o movimento inverso, do marketplace para as finanças com o Mercado Pago, assim como Magazine Luiza, Via Varejo, B2W e Pernambucanas.

Neste ano, as ações do Inter caíram 44,9%. Se analisadas desde março, no início da crise do coronavírus, a queda foi de 43,5%. Na terça-feira, 12 de maio, sua ação fechou cotada em R$ 8,65.