Sem Wi-Fi no Itaqueirão. Foto: Ricardo Stuckert/ CBF

No primeiro jogo da Copa do Mundo da Fifa, que ocorreu nesta quinta-feira, 13, a rede 3G no estádio Itaqueirão apresentou alguns congestionamentos em momentos marcantes.

Foi durante a entrada das seleções em campo e quando Neymar cobrou o pênalti, aos 23 minutos do segundo tempo, que a rede 3G apresentou demora para fazer o upload das fotos nas redes sociais.

Quem confirma a informação é Eduardo Levy, presidente-executivo do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviços Móvel Celular e Pessoal [Sinditelebrasil], que acrescenta “Fora isso, o desempenho da rede 3G foi bom, sem problemas. A rede 4G funcionou bem, com bom desempenho”.

 

Wi-Fi nos estádios

Uma das soluções encontradas pelos especialistas após a Copa das Confederações, para desafogar os gargalos das conexões móveis, seria o Wi-Fi. Na semana passada, o Sinditelebrasil disse que dos doze estádios que vão sediar os jogos da Copa, seis não contariam com rede sem fio. O de São Paulo é um deles.

Além do Itaqueirão, o Mineirão (Belo Horizonte), Castelão (Fortaleza), Arena Pernambuco (Recife), Arena da Baixada (Curitiba) e Arena das Dunas (Natal) também não terão conexão Wi-Fi.

Em 2013, em entrevista para o Jornal Estadão, o presidente do sindicato garantiu que os doze estádios da Copa do Mundo teriam internet Wi-Fi gratuita durante os jogos em 2014. A infraestrutura teria valor de até R$ 100 milhões.

A Ruckus Wireless foi a escolhida por um consórcio formado pelas quatro principais operadoras brasileiras - Claro, Oi, Telefônica e TIM - para fornecer tecnologia de Smart Wi-Fi para dois estádios da Copa de 2014: Mané Garrincha, em Brasília, e Fonte Nova, em Salvador.

Estava acordado que a infraestrutura seria compartilhada entre todas as operadoras de telefonia, o que poderia ajudar a reduzir congestionamentos no tráfego de dados de 3G e 4G, que tem investimento das companhias na instalação da cobertura de voz, 3G e 4G de R$ 200 milhões.

 

Investimentos incompletos

No entanto, apenas 38% desse investimentos foram aplicados. A informação veio do Tribunal de Contas da União, divulgado em março desse ano. 

Sem detalhar quais projetos estavam inacabados, dos R$ 171 milhões de orçamento da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), somente 39% foram usados.

Conforme publicação no TI Inside, o Ministério das Comunicações informou em dezembro do ano passado que a rede nacional da Telebras estava mais de 70% concluída e que chegaria a 3.570 municípios até o fim de 2014.

Na época, os analistas da Infonetics acreditavam que o problema do Brasil na Copa do Mundo não seria no interior dos estádios, visto que as operadores estavam instalando sistemas de antenas distribuídas. Para eles, os torcedores teriam dificuldade em fazer uso de seus celulares no entorno dos estádios.

Os especialistas destacaram que o país tem menos ERBs, mesmo com cinco operadoras móveis, do que a AT&T tem sozinha nos Estados Unidos.