Baguete
InícioNotícias> Forcepoint tem novo country manager

Tamanho da fonte:-A+A

LIDERANÇA

Forcepoint tem novo country manager

Júlia Merker
// quarta, 13/06/2018 15:43

A Forcepoint acaba de anunciar Paulo Macedo como novo country manager da empresa no Brasil.

Paulo Macedo, country manager da Forcepoint. Foto: Divulgação.

A contratação segue o objetivo da empresa em avançar no crescimento dos negócios no mercado local, com atenção as suas particularidades. 

“Hoje, com mais maturidade, nosso mercado começa a deixar de enxergar os investimentos em cibersegurança apenas como custos isolados e já percebe o real custo-benefício na adoção de soluções de cibersegurança com a abordagem nos usuários, em qualquer hora e ambiente, para integridade de todo o ecossistema dos negócios: funcionários, clientes, colaboradores e parceiros”, explica Macedo.

Com mais de 30 anos de experiência em TI, o executivo passou os últimos 20 em empresas de software como BMC, HP e Micro Focus, nesta última ocupando o cargo de diretor de vendas para a América Latina.

Macedo é graduado em matemática pelo Centro Universitário Celso Lisboa e tem MBA em Gestão de Negócios e Tecnologia da Informação da Fundação Getúlio Vargas.

Conforme adiantado pelo Baguete no início de junho, a Forcepoint também tem uma nova liderança na América Latina, com a contratação de Wagner Tadeu como vice-presidente na região.

No último ano, ele atuou como gerente geral da ClickSoftware na América Latina. Antes, o executivo passou dois anos na Pure Storage, em que foi gerente geral para o Brasil. Ele também foi country manager da NetApp por cerca de 8 meses.

Tadeu fez carreira na Symantec, onde atuou por 16 anos e ocupou funções como country manager no Brasil e gerente geral para a América Latina.

A Forcepoint foi formada em 2016 como resultado da fusão das empresas Raytheon Cyber Products, Websense e Stonesoft (que era da Intel). No mesmo ano, iniciou uma operação no Brasil.

A empresa começou o trabalho com uma base consolidada de clientes a partir das empresas atendidas pela Websense, que já tinha presença no país, e o ecossistema de canais Intel, que vendiam Stonesoft no Brasil.

Diferentemente das outras duas marcas, a presença da Raytheon no Brasil até então era pontual, com alguns contratos com entidades governamentais no país.

No início do segundo semestre de 2016, a Forcepoint reforçou o seu canal de distribuição no Brasil com um acordo com a Arrow.

Júlia Merker