Foto: flickr.com/photos/maisindaia

A lojas Renner, que desde o início do ano está migrando da plataforma Google Apps para o Ofice 365, da Microsoft, já sentiu numa queda nos prazos de cinco de workflow de reposição.

De cinco dias, o período passou para um.

“Conseguimos melhorar a produtividade tanto da operação em si, quanto dos executivos, e simplificar os processos", destaca Leandro Balbinot, CIO e membro do Conselho Executivo da Lojas Renner S/A.

No caso das compras de peças de reposição das lojas, o fluxo anteriormente era feito com sistemas e planilhas, relembra o CIO.

A migração para a nuvem, com o Office, ajudou a acelerar e integrar os processos na empresa.

EXPANSÃO DO PROJETO
A primeira fase do contrato firmado entre Renner e Microsoft já foi executada, com a implementação da suíte de produtividade online para 2.500 usuários da empresa.

De acordo com Balbinot,  a expectativa da Renner é expandir o acesso à solução para os demais colaboradores que atualmente não possuem ferramentas de colaboração em suas lojas.

Hoje, são 14 mil trabalhadores, em 202 lojas entre Renner, Blue Steel e Camicado.

Balbinot destaca que a companhia vive um momento de franca expansão e abertura de lojas e precisa dispor de um ambiente tecnológico que viabilize, e até fomente, esse crescimento.

SUSTENTAR CRESCIMENTO
Somente no quarto trimestre de 2011, foram 23 lojas novas das bandeiras Renner, Camicado e Blue Steel.  Além, disso, a empresa deverá inaugurar um novo centro de distribuição nesse semestre, numa área de 50 mil metros quadrados no Rio de Janeiro.

O desempenho operacional da companhia no primeiro trimestre deste ano, por exemplo foi afetado pela remodelação e inauguração de unidades e pelas despesas com a integração da Camicado, rede adquirida em maio de 2011.

Como resultado, o Ebitda da Renner recuou 1,8%, para R$ 85,1 milhões, em relação a um ano antes. A margem Ebitda caiu 2,9 pontos percentuais, para 13,5%.

No primeiro trimestre deste ano, a companhia registrou lucro líquido de 35,7 milhões, com recuo de quase 25% em relação a um ano antes. A receita líquida, na mesma comparação, subiu 18,5%, para R$ 709,3 milhões.

TROCA DE FORNECEDOR
Em 2010, a Renner foi uma das primeiras companhias a optar pela computação na nuvem ao instalar o Google Apps em busca de maior disponibilidade e produtividade dos usuários.

No início do ano, foi iniciada a migração.

Dentro do Office 365, a empresa conta com e-mails, calendário, conferências, colaboração, além de edição e compartilhamento de documentos via Web com Word, Excel, PowerPoint.

No futuro, outras funções como uma rede social em corporativa e telefonia e PABX.

A base de e-mails, calendários e ferramentas de comunicação básica já foram migradas e, até o fim do ano, a expectativa  é ter toda a plataforma de comunicação unificada.

A Lojas Renner também fecharam um contrato com a Microsoft para adotar a solução de relacionamento com clientes e fornecedores, utilizando Dynamics CRM.

MS vs GOOGLE
No Brasil, a briga da MS com o Google pelos serviços na nuvem em meio corporativo está acirrada.

Logo no início de junho, a MS divulgou a contratação por uma escola do Rio, substituindo o sistema do Google para educação.

O Google, em defesa própria, discretamente anunciou contratação pelo governo de Santa Catarina do Google Apps for Business, com 500 licenças do serviço de aplicações online, ao valor unitário de R$ 87,84 cada uma, totalizando R$ 43,9 mil.