Foto: Getty Images

Tamanho da fonte: -A+A

A adoção do trabalho híbrido é uma tarefa complexa, e empresas como a Citrix, líder em tecnologias de espaço de trabalho digital, nos confirmam isso, segundo os dados coletados no seu estudo exclusivo ‘Desmistificar o trabalho híbrido’: 70% das transformações digitais falham, principalmente por problemas relacionados a pessoas e cultura, com base nas estatísticas do relatório produzido pela consultoria McKinsey.

Grandes desafios tecnológicos e problemas relacionados aos colaboradores podem ser apontados como as principais causas. De acordo com uma pesquisa realizada em 2021 pela Citrix, em conjunto com a OnePoll, agência de pesquisa de mercado, 33% dos trabalhadores afirmaram estar em contato com 10 a 20 ferramentas de comunicação e colaboração por dia. Por outro lado, em outro estudo do mesmo ano, 75% deles dizem que as ferramentas e aplicativos utilizados para “facilitar” o trabalho híbrido aumentaram a complexidade, levando ao desgaste dos colaboradores e das equipes de TI. E quando somamos a isso a multiplicidade de pontos de acesso que o trabalho híbrido concede aos invasores, o cenário fica ainda pior, e prova disso são os números coletados este ano em um relatório realizado pela líder mundial em proteção de dados, a Thales, que nos mostram que em 2021, 47% das organizações sofreram mais ataques cibernéticos. 

Há uma necessidade crescente de se implementar medidas de segurança mais sofisticadas e unificadas.

Isso, combinado com outros desafios, como a necessidade de projetar uma infraestrutura de TI que se adapte à força de trabalho; as desigualdades entre trabalhadores remotos e aqueles que vão ao escritório, e a indefinição entre trabalho e vida pessoal, tornam o trabalho híbrido uma modalidade complexa de se adotar, mas que mesmo assim, vem sendo escolhida cada vez mais pelas organizações do futuro. 

Atualmente, de acordo com um estudo realizado em 2021 pela renomada empresa global de tecnologia Accenture, 83% dos funcionários em todo o mundo querem um modelo híbrido de trabalho. Por quê? Possivelmente a resposta está em qualidades como produtividade, flexibilidade, simplicidade, aumento da participação e total expansão de suas liberdades.

Neste cenário, considerando que 74% dos executivos preveem que uma melhor experiência do colaborador irá gerar um importante retorno sobre o investimento (ROI), segundo dados divulgados pela Citrix (2019), a necessidade de adoção deste modelo se torna cada vez mais urgente. Então, por que não enfrentar esses desafios e capitalizar tudo o que o híbrido tem a oferecer? A Citrix apresenta as chaves para conseguir isso em seu relatório ‘Desmistificar o trabalho híbrido’, com uma estratégia de sete partes para ajudar as empresas a projetar uma abordagem híbrida e alcançar um local de trabalho mais inteligente, flexível e produtivo.