SAP aumenta seu lucro no terceiro trimestre. Foto: divulgação.

A SAP divulgou nesta terça-feira, 13, os seus resultados financeiros para o terceiro trimestre de 2015, indicando uma elevação de 19% eu seu lucro operacional em relação ao mesmo período no ano passado.

O lucro operacional do terceiro trimestre, excluindo itens especiais, subiu para € 1,62 bilhão, ultrapassando as estimativas mais otimistas entre analistas, cujas previsões estavam entre € 1,45 bilhão e € 1,59 bilhão.

De acordo com a Reuters, a notícia surpreendeu especialistas de mercado. Para a fabricante de software, o crescimento foi impulsionado principalmente pela venda de novas licenças de software e o formato de vendas via nuvem (SaaS).

As receitas de seus clientes corporativos existentes mantiveram-se em alta, enquanto a companhia alemã disse estar intensificando seus esforços para oferecer mais produtos via Internet.

O faturamento da multinacional no terceiro trimestre totalizou € 4,98 bilhões, levemente acima da expectativa de € 4,93 bilhões. No mesmo período no ano passado a companhia ficou na casa dos € 3,9 bilhões.

A SAP disse que mantém sua previsão para o ano de lucro operacional de € 5,6 bilhões a € 5,9 bilhões em câmbio constante, o que representa uma elevação de até 5 por cento ante os € 5,6 bilhões do ano passado.

"Nosso forte crescimento de dois dígitos em serviços de nuvem e receita de software ocorreu principalmente por conta dos excelentes resultados nos mercados maduros", disse o vice-presidente financeiro da SAP, Luka Mucic, em comunicado.

Para analistas, o crescimento da SAP mostra o fortalecimento da companhia europeia em relação a rivais de porte maior no mercado de TI. Um exemplo é o da Oracle, que registrou queda de 9% no faturamento proveniente da venda de novas licenças no período fiscal terminado em agosto.

Com um faturamento projetado de US$ 37,8 bilhões previsto para 2015, a Oracle possui o dobro do tamanho da SAP em termos de receita. Entretanto, analistas afirmam que esta pode ser a hora para a gigante norte-americana começar a se preocupar com os alemães e sua proposta agora baseada no Hana, tecnologia própria de banco de dados em memória.

O plano envolve também a reestruturação de seu tradicional negócio de ERP. No início deste ano a companhia lançou a nova iteração de seu sistema de gestão, o S/4 Hana, que já emplacou seus primeiros clientes mesmo com o ceticismo de boa parte da base de usuários SAP.

Uma pesquisa feita pela DSAG, grupo de usuários da SAP na Alemanha, Áustria e Suíça equivalente à brasileira ASUG, apontou que apenas 6% dentre as 357 companhias pesquisadas já deram início a algum tipo de projeto envolvendo a nova suíte, lançada no começo do ano. Além disso, somente 4% adquiriram licenças.

Ainda assim, os números estão a favor dos alemães. Em 2015, as ações da Oracle registram uma queda de aproximadamente 15% na bolsa. Por outro lado, a SAP já acumula um crescimento de 9,3% no ano.

"Índices de crescimento com um dígito são baixos pelo padrão histórico da indústria, mas o crescimento modesto da SAP é respeitável em uma era em que a TI está movendo suas cargas de servidores próprios para a nuvem", afirmou Aaron Ricadela, da Bloomberg.