Guardas em Araraquara se dedicam a vigiar... moças.

O circuito de câmeras instalado em 2011 na cidade paulista de Araraquara, a 273 km da capital São Paulo, a um custo de R$ 811 mil, virou uma espécie de “janela indiscreta” para os guardas municipais encarregados de operar a tecnologia.

Segundo revela a Folha de São Paulo, 12 guardas encarregados de monitorar as imagens foram afastados do trabalho por usar as câmeras para espiar mulheres andando na rua e casais apaixonados.

O vídeo foi vazado a uma vereadora da cidade mostra imagens da principal rua de comércio da cidade, a Nove de Julho, num horário de grande movimento. 

A câmera abandona o plano aberto nas lojas e carros que transitam pela via e passa a focar uma moça de blusa rosa decotada e short jeans. Logo depois, as imagens mostram closes em um casal namorando na rua.

Segundo a prefeitura, uma inspeção foi feita nesta quinta-feira, 12, e nenhum material semelhante ao da denúncia foi encontrado, uma vez que por uma daquelas manutenções  técnicas convenientes, as imagens de novembro não foram armazenadas.

Em outra coincidência, o secretário da Segurança local, Eli Schiavi, responsável pela guarda, pediu afastamento do cargo, alegando motivo de saúde.

A implementação do sistema foi bancado por R$ 697 mil de recursos federais, por meio do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania, e cerca de R$ 114 mil de contrapartida e investimentos da própria prefeitura.

Veja abaixo o vídeo: