Wendell Alexandre Paes de Andrade de Oliveira, novo presidente da Copel Telecom.

Wendell Alexandre Paes de Andrade de Oliveira, ex-CEO da GE Power Conversion, divisão de motores elétricos da GE, foi nomeado presidente da Copel Telecom, companhia controlada pela estatal paranaense de energia, a Copel.

Oliveira é um executivo com background 100% de iniciativa privada e assume em um momento em que o novo governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), fala abertamente em privatizar a Copel Telecom.

O profissional começou a carreira na Siemens em 2000, saindo em 2011 como diretor da unidade de negócios na área de motores.

Depois da saída da GE, em 2014, foi CEO por um curto período da operação no país da multinacional francesa do setor de energia Rexel.

Desde então, Oliveira mantém uma consultoria de negócios, pela qual está no board da Romagnole, fabricante de produtos elétricos, e também é sócio da Priori Capital, administradora especializada em recuperações judiciais.

Parece o perfil certo para um presidente durante um eventual processo de privatização da estatal, que tem oferta de banda larga em 81 cidades do Paraná (20% do total), além de atendimento em nível corporativo em todo o estado.

Enquanto participava em um evento vento com investidores da Copel na Bolsa de Nova York (Nyse) no começo do mês, o governador eleito Ratinho Junior disse discutiria a venda da Copel Telecom “em um momento oportuno”. 

Em fevereiro deste ano a TIM foi apontada como uma das interessadas em empresas regionais, que quase dobraram a participação no mercado de banda larga em um ano. A especulação é que a Copel Telecom possa valer R$ 1 bilhão.

No entanto, também não estão descartados outros modelos de composição acionária. 

A equipe de transição do governador eleito estuda os formatos, mas somente se pronunciará sobre o tema a partir de 1º de janeiro. 

Ratinho Junior, caso alguém de fora do Paraná tenha dúvidas, é o filho de Carlos Roberto Massa, o apresentador de televisão conhecido como Ratinho, que provavelmente dispensa maiores apresentações.

O novo governador do Paraná aproveitou o sobrenome famoso (bem, na verdade o apelido famoso) e começou sua vida política em 2002, quando tinha 21 anos, sendo eleito deputado estadual do Paraná pelo PSB.

Em 2006, foi eleito deputado federal pelo PPS; reelegeu-se em 2010 pelo PSC. Foi candidato a prefeito de Curitiba pelo mesmo partido em 2012. Atualmente está filiado ao PSD, partido pelo qual venceu a corrida pelo governo do Paraná em primeiro turno.