Em nível mundial, a empresa está em um momento complicado. Foto: divulgação.

A WeWork, maior rede de espaços de coworking do mundo, vai abrir unidades em quatro novas cidades no Brasil. Serão mais de mil novas estações de trabalho inauguradas em dezembro.

A empresa chega agora a Porto Alegre, São José dos Campos, São Bernardo do Campo e Osasco.

No início de dezembro, a companhia inaugurou seu primeiro prédio na região Sul, em Porto Alegre. 

Ocupando três andares do prédio Mr. Shan Business Offices, localizado na Av. Carlos Gomes, 1672, a unidade terá capacidade para cerca de 700 posições.

No estado de São Paulo, além de um novo endereço na capital, na Vila Madalena, a empresa expande sua operação para as cidades de São Bernardo do Campo, São José dos Campos e Osasco. 

Com as novas unidades, a rede fecha o ano em sete cidades brasileiras, com 20 escritórios somente em São Paulo, além de estar presente no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte.

“Continuar observando uma alta demanda de novos usuários e ver cada vez mais empresas nos buscando como parceiros para oferecer soluções em espaços de trabalho para suas equipes nos enche de orgulho", comenta Lucas Mendes, diretor geral da WeWork.

A companhia lançou também, na última Black Friday, o WorkPass, solução que está em testes em formato piloto no Brasil.

Por um preço único de R$ 699 por mês, o usuário tem acesso a todas as unidades da empresa no estado de São Paulo. 

A expansão da operação no Brasil, no entanto, acontece em um momento complicado para a WeWork em nível mundial.

Após Adam Neumann, até então CEO da companhia, ter almejado levar a WeWork para a Bolsa de Valores de Nova York, o IPO acabou não acontecendo.

A companhia chegou a ser avaliada em US$ 47 bilhões, mas, segundo o site Tecnoblog, esse valor foi considerado superestimado. 

Além disso, a WeWork estaria gastando demais: só em 2018, o prejuízo foi de US$ 1,9 bilhão contra o US$ 1,8 bilhão de receita.

Ainda segundo o site, investigações sugerem, de modo geral, que Neumann e pessoas próximas estavam usando os planos da IPO para obter recursos financeiros próprios. 

Neumann abandonou o cargo de CEO em 24 de setembro e uma semana depois, a WeWork cancelou o pedido de IPO que havia registrado em agosto.

O Tecnoblog afirma que, para o mercado financeiro, esse foi um dos pedidos de IPO mais bizarros e vergonhosos dos últimos tempos. 

Artie Minson e Sebastian Gunningham assumiram as funções de CEO da companhia e tentam estancar a crise.

O site também fala em um plano de demissão, estimando que algo entre 10% e 25% dos 12,5 mil funcionários da WeWork podem perder o emprego nos próximos meses.

Fundada em 2010, a WeWork conta com cerca de 600 mil membros em mais de 600 unidades em 28 países. No Brasil, são mais de 21 mil membros.

Segundo a empresa, 38% das companhias listadas na Global Fortune 500 são membros da WeWork.