Otávio Fontoura.

A Asaas, uma empresa catarinense que desenvolve um software de automatização de cobranças, decidiu fugir dos estereótipos sobre startups e contratar um profissional experiente para a sua área comercial.

Muito experiente: o novo diretor comercial, Otávio Fontoura, acaba de completar 60 anos, quase o dobro da idade dos fundadores da Assas Piero Contezine, 36 anos, Diego Contezini, 33 anos. 

Fontoura dirigiu nos últimos anos uma consultoria comercial, a Accom, mas tem uma experiência profissional diversificada, com passagens por empresas de agronegócio, indústria, comércio e serviços, como empresário, administrador, consultor, gerente comercial, professor universitário e instrutor de programas de liderança, entre outros.

“Sou muito aberto à troca de experiências e conhecimentos. Acredito que estou contribuindo com minha experiência no trato com as pessoas e no desenvolvimento de processos que elas precisam executar. Em resposta, tenho sido contagiado pela energia e vontade de fazer acontecer que recebo de meus colegas de trabalho”, conta Fontoura.

O exemplo da Asaas chama atenção entre startups, onde os donos muitas vezes parecem inclinados a não contratar pessoas com mais experiência profissional que eles próprios, mas também entre grandes empresas de tecnologia.

No ano passado, a IBM se tornou um exemplo do problema de discriminação por idade na indústria de TI, quando colaboradores entraram com um processo na justiça alegando que a Big Blue estava demitindo profissionais acima de 40 anos.

Um relatório divulgado pela agência ProPublica corrobora com a denúncia: de acordo com ele, a companhia demitiu em seis anos mais de 20 mil pessoas acima dos 40.

No Google, por exemplo, dos 57 mil funcionários, apenas dois mil participam do “greyglers”, um grupo interno que é um trocadilho para “cabelos brancos”.

“Funcionários mais velhos agregam experiência ao processo. Por terem passado por mais coisas, têm raciocínio consistente e ainda imprimem autoridade, o que ajuda na hora de liderar um time”, acredita Piero Contezini, CEO da Asaas.

A Asaas é uma spin-off da empresa Informant, companhia de Joinville que também deu origem à ContaAzul.

A empresa é especializada em tecnologia para geração de boletos de pagamentos recorrentes para autônomos, microempreendedores individuais (MEIs) e micro e pequenas empresas.

A Asaas já recebeu R$ 6 milhões em investimentos de fundos desde a fundação, em 2013.