Baguete
InícioNotícias> Linx cresce 27% e fatura R$ 331 milhões

Tamanho da fonte:-A+A

RESULTADOS

Linx cresce 27% e fatura R$ 331 milhões

Maurício Renner
// sexta, 14/02/2014 17:40

A Linx, especializada em tecnologia de gestão para o varejo, atingiu uma receita operacional bruta de R$ 331,3 milhões em 2013, um aumento de 27,9% frente aos números do ano anterior.

Alberto Menache, diretor presidente da Linx.

No período, a receita recorrente cresceu 32,4% em relação a 2012, representando 77,7% da receita operacional bruta. 

No ano de 2013, o EBITDA ajustado ficou em R$ 82,5 milhões, um crescimento de 27,4% sobre 2012.

O resultado é atribuído pela empresa em nota ao aumento do faturamento nos clientes da base, tanto através da expansão dos mesmos quanto no aumento da chamada “oferta cross” de soluções complentares aos softwares de POS e ERP.

Outros fatores foram novos clientes e a consolidação dos resultados da Direção e dos ativos da Seller e da Opus, somados aos resultados do mês de dezembro da LZT e dos ativos da Ionics, empresas que foram adquiridas na totalidade ou em parte pela Linx.

Junto com os resultados, a Linx divulgou ainda dados de um novo estudo de IDC cobrindo o mercado de brasileiro de software de gestão para varejo relativo a 2012.

Segundo a análise da consultoria, a o market share da Linx atingiu 31,7% em 2012, um crescimento de 2,4 pontos percentuais sobre o ano anterior. 

Este percentual é maior do que a soma do 2º, 3º, 4º e 5º colocados e quase 3 vezes maior que o do 2º colocado, afirma a Linx, sem abrir nomes dos concorrentes. 

Boa parte da participação pode ter sido adquirido via aquisições: a Linx comprou nada menos que 14 empresas nos últimos cinco anos.

Outros dados levantados pela IDC apontam um futuro promissor para a Linx e outras empresas do segmento.

De acordo com o estudo, o mercado potencial total de POS+ERP para varejo atingiu R$ 8,1 bilhões. 

Já a receita total de softwares de gestão para varejo em 2012 foi de R$ 644 milhões, crescimento de 18,4% sobre 2011, mas, mesmo assim, uma penetração raquítica de 7,9%.

O estudo também constatou que a parcela de software no mix de gastos de TI dos varejistas segue aumentando paulatinamente, passando de 23,9% para 26%, em detrimento de hardware e serviços. 

“O varejo brasileiro está num estágio inicial de mudança, buscando maior formalização, profissionalização, consolidação e aumento da presença geográfica de suas operações, dinâmicas que em conjunto levam a um aumento nos investimentos em softwares de gestão”, analisa a Linx no seu balanço.

Segundo a empresa, estas dinâmicas ainda levarão anos para atingirem a maturidade e, portanto, a oportunidade de crescimento deste mercado é de longo prazo.

Em fevereiro de 2013, a Linx abriu capital ao entrar no Novo Mercado da BM&FBovespa, segmento de mais alto padrão de Governança Corporativa, captando R$ 528 milhões.

80% dos recursos estão sendo destinados à compra de empresas que agreguem valor e complementem o portfólio de produtos e serviços que a empresa oferece ao varejo.

Além da BNDESPar, a Linx tem a parceria do fundo de investimentos norte-americano e líder global de growth equity, o General Atlantic (GA) do qual recebeu um aporte não revelado em 2012.

A Linx conta com mais de 1,7 mil colaboradores, distribuídos na matriz, filiais e escritórios em Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Jaboticabal, São Carlos e Montenegro, além de canais de distribuição no Brasil e no exterior. A carteira de atendidos traz mais de 16 mil varejistas.

Maurício Renner