Moacir Marafon. Foto: divulgação.

A catarinense Softplan/Poligraph firmou um acordo com a SAP para integrar as soluções de BI da BI da multinacional alemã a seus sistemas para as áreas de justiça, construção e administração pública, dentro da recentemente lançada estratégia de OEM da parceira.

O diretor da empresa catarinense, Moacir Marafon, ressalta que a integração de tecnologias contribui para a meta da companhia de crescer 20 anos em cinco, anunciada ainda em 2011, e que vem mostrando resultado.

Quando do anúncio do plano, a companhia faturou R$ 98 milhões, alta de 40,41% sobre 2010. Já em 2012, o faturamento subiu para R$ 144 milhões, e este ano a projeção é crescer novos 20%, mantendo esta taxa anual daqui para a frente.

“Estamos motivados com esta nova parceria. A linha de soluções analíticas irá contribuir sensivelmente com nosso crescimento, já que o SAP Business Objects nos permitirá incorporar diferenciais únicos às nossas soluções”, comenta Marafon.

Ele explica que a integração com o BI da SAP permitirá a criação de relatórios, dashboards, acesso mobile e outros recursos nas tecnologias já oferecidas pela empresa, gerando uma camada analítica às soluções de nicho.

“Um dos principais beneficiados é o Sistema de Automação da Justiça (SAJ), que contará com uma ferramenta de análise e inteligência integrada aos dados do sistema”, ressalta o diretor.

Para as soluções de gestão para os segmentos de administração pública e indústria da construção também já há integrações em andamento, e os primeiros produtos do sistema OEM devem ser lançados nos próximos meses, garante o executivo.

O acordo com a SAP amplia a lista de parceiros da iniciativa OEM que a multi lançou há pouco mais de um mês no país.

Com a Softplan, a relação de integradores passa para 13, com três deles no Sul, onde já operavam a blumenauense Operacional Têxtil e a curitibana FH Consulting.

A lista traz também as paulistas Union IT, Engine, Tropico, Thomson Reuters, SQL Tech e DMSS, a mineira Sigga, que tem filiais em São Paulo, Brasília, México, EUA  e Alemanha; e a Coss Consulting, de São Carlos, além de outros dois que preferem não ser divulgados.

A vice-presidente para Ecossistema e Canais da SAP Brasil, Sandra Vaz, explica que com a estratégia OEM o plano é crescer por indústria, por região e por solução.

“O projeto é ter pelo menos um parceiro em cada cidade representativa do país apto a oferecer uma solução SAP em nuvem”, destaca.

A meta final, destaca a executiva, é aumentar a fatia da SAP no mercado brasileiro de software corporativo, com especial atenção ao SMB, onde a empresa enfrenta a concorrência de nomes como Totvs, que, segundo dados da FGV-SP, lidera o segmento, com 26% de share no país.

A Microsoft vem em segundo lugar, com 12%, e a SAP em terceiro, com 10%.

Para os lados da Softplan/Poligraph, o incremento da parceria também participa de planos maiores.

A empresa anda em vias de expansão de portfólio aliada à ampliação física: em janeiro deste ano, anunciou investimento de R$ 38 milhões para instalações de 28 mil m², com capacidade para abrigar 1,2 mil colaboradores, no Sapiens Parque, pólo tecnológico em construção em Florianópolis.

A sede da companhia é o primeiro empreendimento realizado em parceria entre o Sapiens e o setor privado, e a meta é concluir as obras civis em agosto de 2014, quando iniciarão as demais instalações necessárias para começar a migração de pessoal no fim do ano que vem.

A Softplan/Poligraph atua em softwares de gestão desde 1990, e atende a clientes do Brasil, América Latina e Estados Unidos.