Divulgação, Daniel Volpato/Flickr

O governo de Santa Catarina pretende criar uma autoridade certificadora própria, para o que vai utilizar parte dos R$ 10 milhões obtidos na semana passada de um convênio com o BNDES para compra de hardware e software.

O valor exato a ser destinado ao projeto, que envolve a digitalização de documentos para trâmites da esfera estadual, ainda não foi calculado, conforme o secretário de Estado da Administração, Milton Martini.

A data da licitação para o projeto também não está definida.

A meta, segundo o secretário, é permitir que documentos enviados por meio da internet tenham validade judicial nos órgãos da administração catarinense, o que deve eliminar consideravelmente os custos da tramitação de processos dentro do governo e envio dos protocolos.

Só a nossa última licitação para compra desse material atingiu R$ 4 milhões. Se conseguirmos reduzir pela metade, vai gerar uma economia considerável aos cofres públicos”, explica Martini.

Hoje, a tramitação das ações das 36 regionais - das outras secretarias também - é feita com papel, o que faz com que os documentos oficiais tenham que ser enviados por correio de uma das secretarias de para a secretaria central a que o projeto seja ligado, como Infraestrutura, Planejamento, Educação ou Fazenda, por exemplo.

“Isso pode levar dias, ou semanas, até que o documento cheque ao destino e seja protocolado”, conta Martini.

Ainda que geograficamente mais próximas, o trabalho deve ser agilizado também dentro das secretarias centrais.

“O que levava dias vai poder ser feito em minutos pela internet”, completa o secretário.