Luis Gonçalves, presidente da Dell Brasil.

A Dell assumiu a liderança do mercado de PCs do Brasil, com 15,8% de todas as unidades vendidas no primeiro trimestre de 2015, de acordo com recente relatório divulgado pela consultoria IDC Brasil. 

Em 15 anos de atuação no país, é a primeira vez que a Dell ocupa a posição de número um em vendas totais de computadores no país. 

No trimestre anterior, a Dell já tinha conquistado a liderança nas vendas de notebooks no Brasil, mas, até então, mantinha a segunda posição no número total de PCs.

A Dell não divulgou os dados de participação dos seus concorrentes, mas muito provavelmente a companhia ultrapassou a brasileira Positivo por uma pequena margem.

No terceiro trimestre de 2014, quando a Positivo fez a última divulgação de dados da IDC, a companhia havia atingindo um market share de 16,6%, um incremento de 1,5 ponto percentual frente ao trimestre anterior que a colocava na liderança do mercado, ultrapassando a Lenovo.

“Em apenas um ano, saltamos da quarta para a primeira posição nas vendas gerais de PCs no Brasil. O varejo foi fundamental para alcançarmos essa liderança histórica. Em 2014, aumentamos em cinco vezes o número de lojas varejistas que comercializam nossos produtos”, explica Luis Gonçalves, presidente da Dell Brasil. 

A liderança da Dell é resultado da convergência de fatores de longo e curto prazo. A construção da presença no varejo começou ainda em 2007, quando a empresa fechou um acordo com a rede Wal-Mart, encerrando sua estratégia de vender exclusivamente produtos customizados online.

No curto prazo, a alta do dólar favoreceu a Dell, segundo o Baguete apurou com fontes de mercado.

No primeiro trimestre do ano, a moeda americana disparou mais de 30%, batendo na casa dos R$ 3,30 a indústria de PCs como um todo se viu em um aperto, menos a Dell, que tinha feito operações de edge prevendo a alta, segundo essas fontes.

Com mais de 90% dos componentes importados (as máquinas são apenas montadas por aqui para garantir os incentivos fiscais para fabricação local) o mercado de PCs é umbilicalmente ligado ao dólar, e a Dell tem conseguido evitar repassar esses custos.

De acordo com a IDC, houve um reajuste de cerca de 15% a 20% nos preços dos computadores no primeiro trimestre, motivado pelo repasse desses custos crescentes.

O ticket médio dos aparelhos comercializados no 1º trimestre de 2015 ficou em torno de R$ 2.320 para notebooks e R$ 1.701 para desktops.

Boas notícias para a Dell em um mercado que, de maneira geral, não tem lá muito para comemorar.

De acordo com a IDC, entre janeiro e março foram comercializados 1,964 milhão de PCs, ou seja, 20% menos do que no mesmo período do ano passado, quando foram vendidas 2,4 milhões de unidades. 

Em 2014, o mercado já havia retraído em 26% na comparação com o ano anterior e respondido por vendas de apenas 10,3 milhões de computadores.

Do total de equipamentos comercializados no primeiro trimestre de 2015, 804 mil foram desktops (queda de 21% frente ao mesmo período de 2014) e 1,160 foram notebooks (queda de 19% na comparação com o primeiro trimestre do ano passado). 

Além disso, 32% representam vendas para o mercado corporativo e 68% para o consumidor final.

O resultado não está de acordo com as expectativas da IDC Brasil, que esperava um número maior de vendas no período. 

“Esse começo de ano foi muito turbulento e isso impactou diversos setores da economia. Os escândalos de corrupção, a diminuição do crédito e a alta do dólar esfriaram  o mercado e foram determinantes para este resultado”, afirma Pedro Hagge, analista de pesquisas da IDC Brasil.