Más notícias para as empresas de TI. Foto: Pexels.

O gasto mundial em TI vai cair em 8% em 2020, para US$ 3,4 trilhões.

É o que aponta o Gartner, que acaba de rever suas projeções para o ano, em meio ao novo cenário do coronavírus. A previsão anterior era de crescimento de  3,4%.

No geral, o Gartner espera que as prioridades de TI mudem de projetos focados em crescimento ou transformação para iniciativas de missão crítica focadas em suportar as operações.

O pior impacto será em equipamentos como PCs, celulares e laptops, onde a queda será de 15,5%, frente a uma previsão anterior de crescimento de 0,8%.

Vendas de software empresarial devem cair 6,9%.

Os setores que vão escapar são aqueles que tem que ver com a sustentação de grandes operações de home office.

Serviços de nuvem pública, por exemplo, vão crescer 19% e plataformas na nuvem de conferência 24,3%.

"Os CIOs entraram em uma situação de otimização de custos emergencial. O investimento será priorizado naquilo que mantém os negócios rodando", resume analista do Gartner John-David Lovelock.

A recuperação é ainda uma incógnita.

"A retomada não seguirá padrões já estabelecidos, porque as forças por trás da recessão criam choques tanto no lado da demanda quando do consumo", aponta Lovelock.

A Forrester, outra gigante da área de análise, cravou quedas de gasto de 9% em 2020 e 5% em 2021.