Baguete
InícioNotícias> Brasil tem silicone com RFID

Tamanho da fonte:-A+A

DADOS

Brasil tem silicone com RFID

Maurício Renner
// sexta, 14/07/2017 13:17

O Hospital Moriah, um centro médicos-cirúrgicos de alto padrão localizado em São Paulo, é o primeiro a fazer implantes mamários com chips de RFID no Brasil.

Brasil faz mais de 300 mil implantes mamários por ano. Foto: Pixabay.

As próteses são fornecidas pela Establishment Labs, que colocou esse produto no mercado mundial em 2013.

No caso do hospital brasileiro, eles vem com um microchip de quatro milímetros com capacidade de armazenamento com longa duração para informações importantes sobre a prótese como data da fabricação, além do número de série, formato, modelo, volume e data de colocação na paciente.

Os dados podem ser lidos por meio de um scanner em caso de necessidade de uma intervenção posterior. Uma prótese mamária pode ter uma vida útil de duas décadas e muitas vezes essas informações se perdem.

“Essa prótese é a primeira do mundo com revestimento construído por meio da nanotecnologia”, detalha o cirurgião plástico responsável pelo Centro de Referência em Cirurgia Mamária do Hospital Moriah, Alexandre Mendonça Munhoz.

Munhoz também adianta que há pesquisas em andamento com microchips que fornecem informações como temperatura, pressão interna do implante e alterações químicas referentes ao silicone.

O primeiro implante de silicone foi feito há 55 anos nos Estados Unidos. Só no Brasil foram feitas 358 mil intervenções cirúrgicas do gênero em 2015.

O tema não chega a ser mencionado pelo hospital, mas a capacidade de determinar com rapidez o tipo de prótese pode ter outras utilidades, como no advento de um recall.

O produto da Establishment Labs foi uma resposta à crise causada por uma concorrente, a Poly Implant Prothese, que usou um recheio de qualidade inferior em 300 mil implantes, gerando uma crise médica na Europa e América do Sul.

O Hospital Moriah foi inaugurado em Moema, bairro da zona sul da capital paulista, em  2015 no local onde estava localizada a antiga sede da Rede Record.

Assim como a rede de TV, o hospital é uma empresa controlada pela Igreja Universal do Reino de Deus, do bispo Edir Macedo.

Maurício Renner