Campus da Fapa. Foto: http://scenoblog.blogspot.com.br/

A UniRitter comprou a Faculdade Porto-Alegrense (Fapa), instituição de ensino superior de Porto Alegre com 3 mil alunos e cursos de graduação e pós-graduação em administração, ciências contábeis, matemática, letras, pedagogia e história.

Com o negócio, aumenta o número de universidades participantes do grupo Laureate International Universities no Rio Grande do Sul, que até agora incluía a própria UniRitter, que tem 14 mil alunos, e a Fadergs, com outros 6 mil.

“A decisão de nos aliarmos à Fapa faz parte da estratégia de expandir nossas atividades, especialmente na zona norte de Porto Alegre”, afirma em nota o CEO da UniRitter, Eduardo Mendonça.

Do ponto de vista de TI, a Fapa deve ser rapidamente integrada em um centro no qual compartilham serviços a UniRitter, a Faders e a carioca IBMR, que tem 6 mil alunos. 

As instituições estão atualmente de mudança para o data center da GVT em São Paulo, como parte de uma série de mudanças visando consolidar a TI sob o comando de Paulo Garcia, profissional que já trabalhava na Unirriter e hoje atua como CIO para as três instituições.

“Nós desenvolvemos um framework para fazer a unificação dos sistemas, tendo em conta as particularidades do setor de ensino”, explica Garcia, citando como  um dos exemplos as janelas de tempo propocionadas entre matrículas e fechamento de semestre, períodos de maior demanda.

A orientação estratégica da Laureate, hoje dona de 12 instituições de ensino superior no Brasil é criar sinergias entre as diferentes operações. 

Uma movimentação nesse sentido foi o fechamento de um contrato com a Microsoft para implementar o Office 365 nas instituições, o que já foi feito na Unirriter e Fadergs para 1,2 mil contas.

Outra, em termos de organograma, foi a noemação de Fatima Primati, ex-CIO da Universidade Anhembi Morumbi, uma das maiores universidades da Laureate no Brasil, para assumir o cargo para o grupo como um todo.

A Laureate não abre o número de alunos por unidades, mas Douglas Becker, CEO mundial da empresa, revelou recentemente para a Exame que tem no Brasil cerca de 25% dos seus 800 mil alunos em nível mundial. 

De acordo com a Exame, o faturamento da Laureate é de US$ 3,5 bilhões e a empresa tem por trás sócios como o fundo de private equity KKR, o Banco Mundial e a Universidade de Harvard.

No meio do ano passado, a Laureate mostrou seu poder de fogo adquirindo a paulista FMU por uma bolada estimada no mercado de educação em R$ 1 bilhão.