Carlos Py. Foto: divulgação.

A Linx, empresa nacional especialista em tecnologia de gestão para o varejo, firmou um acordo com a KeepTrue, desenvolvedora de soluções para conformidade fiscal, para reforçar sua oferta de gestão e controle das obrigações fiscais.

Com a parceria, a Linx oferecerá de forma integrada aos seus softwares de gestão as soluções Auditoria Digital, Controle de Obrigações e Monitor NF-e. Segundo a companhia, os novos produtos garantirão aos varejistas governança e qualidade das informações que serão enviadas ao Fisco.

A solução Auditoria Digital permite validações e cruzamentos dos SPED’s e obrigações digitais, enquanto o Controle de Obrigações centraliza a gestão da entrega de obrigações fiscais e tributos. Já o Monitor NF-e gerencia as notas fiscais eletrônicas de mercadoria, transportes e de serviços.

“Com essas soluções, os varejistas ganham em produtividade, redução de custos e qualidade das informações, assegurando transparência para o Fisco e evitando penalizações, como multas exorbitantes”, afirma Carlos Py, diretor de conectividade e TEF da Linx.

Segundo o diretor, as ferramentas da KeepTrue complementarão o portfólio da Linx com técnicas e regras de validações com base no conhecimento tributário, contábil, fiscal e legal da empresa.

"Aliadas aos sistemas de gestão da Linx, as soluções permitirão que as empresas varejistas atendam todos os requisitos de governança e compliance exigidos no mercado brasileiro”, finaliza o executivo.

A Linx encerrou o primeiro trimestre de 2015 com receita operacional bruta de R$ 117,2 milhões, um aumento de 27% em relação ao mesmo período do ano passado. O lucro líquido atingiu R$ 15 milhões, o que representa ampliação de 9,3% em comparação ao 1T14.

A empresa vem em um ritmo sustentado de crescimento, impulsionado principalmente por aquisições. Em setembro, a companhia comprou a catarinense Chaordic e a amazonense Neemu, duas companhias novas que são destaques no mercado brasileiro de personalização para e-commerce.

As compras devem custar R$ 78,6 milhões à vista, mais R$ 32,8 milhões relacionados ao atingimento de metas de 2016 a 2018, totalizando R$ 111,4 milhões.

Os valores como os pagos pelas duas empresas são frequentes. Para ficar só nas últimas aquisições, a Linx pagou à vista R$ 44 milhões pela Softpharma e outros R$ 38,7 milhões pela  Big Sistemas. Ambas empresas atuam com softwares de gestão e automação de farmácias e foram compradas no ano passado.

Com mais de 2,5 mil colaboradores, a empresa tem matriz em São Paulo, doze filiais em oito estados, além de unidades de relacionamento espalhadas pelo Brasil, atendendo uma base de mais de 38 mil varejistas.