Nana Baffour, CEO da Qintess.

A Qintess está trazendo para o Brasil a Founders Factory, uma aceleradora de startups sediada em Londres com foco em aproximar grandes organizações de startups.

O histórico da empresa já conta com 200 acordos do tipo, com cerca de um terço se tornando acordos e investimentos de longo prazo no valor de 250 milhões de libras nos últimos quatro anos (R$ 1,7 bilhão, pelo câmbio atual).

A Founders Factory visa sondar o mercado latino americano com o acordo com a Qintess, que tem 12 meses de duração e prevê workshops sobre metodologia ágil, inovação e criação de startups internas em grandes corporações.

“Temos grandes expectativas para o futuro e vamos usar esse período para explorar investimentos junto com as maiores corporações do Brasil, visando lançar programas no ano que vem”, explica Amy Grimshaw, head de comunicação da Founders Factory.

A Founders Factory já tem operações em Paris, Nova Iorque e Johanesburgo, trabalhando com grandes corporações como L'Oreal, Aviva e Johnson & Johnson. O acordo com a  Qintess marca a primeira iniciativa na América Latina.

A aceleradora ajuda essas organizações a criar suas startups do zero, além de intermediar investimentos e investir ela mesma em novas companhias.

A colaboração começará em outubro de 2020 e será a primeira vez que a Founders Factory trabalhará com empresas na América Latina, tendo anteriormente aberto hubs em Londres, Joanesburgo, Nova York e Paris.

“Essa parceria não tem precedentes na América Latina e temos muito orgulho de trazer um programa dessa importância para a região e com um potencial de impacto tão grande”, afirma Nana Baffour, CEO da Qintess.

Nos últimos quatro anos, a Founders Factory tem trabalhado com seus parceiros para criar mais de 35 startups do zero e para investir e escalar outras 140 empresas de tecnologia estratégica inovadora em estágio inicial. 

ORIGEM

A Quintess é resultado da compra da Resource pelo grupo dono da Cimcorp.

Sua origem está na aquisição da Cimcorp em 2011, por investidores liderados pelo americano Nana Baffour.

Anos depois, em 2014, a Cimcorp comprou os negócios das empresas Damovo, Getronics e Sopho no Brasil, atuando com soluções em network, data center, cloud computing, comunicações unificadas e workspace management. 

A Cimcorp foi uma companhia com atuação destacada no começo dos anos 2000 e mais discreta ao longo da última década.

É um caso bem diferente da Resource, outra integradora de TI de grande porte, adquirida por Baffour em 2019.

A Resource fechou 2018 com um faturamento de R$ 470 milhões, um crescimento de 20% em relação a 2017. São mais de 300 clientes, 2,5 mil funcionários e boa penetração entre multinacionais e bancos.

Já sob o nome Qintess, a empresa segue fazendo aquisições: no começo do mês, comprou a CSC Brasil, uma companhia que está entre as maiores especialistas no assunto análise de dados e Business Intelligence do país. 

A Qintess tem 3,5 mil funcionários e mais de 2 mil clientes, com operações no Brasil, Chile, Colômbia, Estados Unidos e Europa.