SAÚDE

Hospital Samaritano cria sistema de segurança do paciente

14/11/2012 17:06

Com investimento de R$ 2,5 milhões, o sistema traz uma configuração inédita no Brasil com maior tecnologia e automação

O Hospital Samaritano de São Paulo implantou um sistema que automatizou tarefas de armazenagem, distribuição e rastreamento de medicamentos de sua farmácia.

O projeto, de desenvolvimento interno, levou investimento de R$ 2,5 milhões.

Samaritano cria sistema próprio que, segundo fontes da área, falta no mercado.

Tamanho da fonte: -A+A

Com investimento de R$ 2,5 milhões, o sistema traz uma configuração inédita no Brasil com maior tecnologia e automação

O Hospital Samaritano de São Paulo implantou um sistema que automatizou tarefas de armazenagem, distribuição e rastreamento de medicamentos de sua farmácia.

O projeto, de desenvolvimento interno, levou investimento de R$ 2,5 milhões.

A gerente de Suprimentos do Samaritano, Ana Paula Gomes de Melo, explica que o projeto é subdividido em Automação Horizontal, composta por carrosséis de armazenamento de materiais e medicamentos; e Automação Vertical, que compreende os dispensários eletrônicos e correio pneumático, interligando as farmácias - central e satélites - com as unidades de internação.

“Os objetivos são aumentar a segurança do paciente, rastrear o medicamento dentro do hospital, melhorar processos da enfermagem, evitar o descarte desnecessário de produtos, ampliar a produtividade e otimizar o espaço físico, através de estoques compartimentados”, esclarece ela.

Conforme a gerente, este novo modelo favorece não apenas a cadeia logística, mas principalmente a assistência.

A equipe de enfermagem, por exemplo, pode se dedicar mais aos cuidados do paciente, já que tem à disposição, nas unidades de internação, os materiais e medicamentos mais utilizados de acordo com o perfil de cada setor.

“E recebem os medicamentos injetáveis em dose unitária, ou seja, pronta para ser administrada”, exemplifica Ana Paula.

Ainda segundo ela, com a automação os farmacêuticos da instituição também podem focar atividades clínicas, deixando de atuar em funções operacionais e passando a interagir diretamente com a equipe multiprofissional e pacientes.

O cliente final também colhe os benefícios.

“Hoje todos os pacientes recebem as informações relacionadas ao tratamento medicamentoso de maneira interativa, já que os farmacêuticos utilizam tablets na beira do leito para passar as orientações necessárias”, finaliza a gerente.

DEMANDA
A solução criada pelo Samaritano ajuda no atendimento de uma demanda já evidenciada por profissionais como o superintendente do Hospital Moinhos de Vento (HMV), Fernando Torelly,para quem há carência de sistemas de mercado para segurança do paciente.

“Não há, hoje, um software que permita cuidar do paciente desde sua entrada no hospital até o fim do tratamento”, atestou o gestor em palestra no Mesas TI, evento realizado pelo Seprorgs na sexta-feira, 09.

Nos erros médicos, por exemplo, ele citou que o método tradicional, do enfermeiro que vai ao quarto com a bandeja de medicamentos e os dá ao paciente, é falho, já que não há um sistema que garanta que aquele é o remédio certo, na dose e horário corretos, para a pessoa indicada.

Preocupante, visto que, conforme Torelly, dentre os erros médicos, enganos de medicação são os mais frequentes.

Veja também

COM MV SISTEMAS
Hospital Santa Cruz: TI no atendimento

HSC implanta novo sistema informatizado de gerenciamento de acesso de pessoas na instituição com solução da MV.

VIGILÂNCIA E CONTROLE
Hospital SC: segurança com D-Link

A instituição, que tem 800 colaboradores, 227 leitos e realiza uma média de 3,7 mil pronto atendimentos por mês, implantou 09 câmeras IP, sistema de gravação de imagens backbone de 10Gb e switch core de chassi 7200.

IBM e MV zeram papel no Hospital Felício Rocho

O Hospital Felício Rocho, de Belo Horizonte, adotou uma contrato com a IBM Brasil e MV Sistemas para adoção do prontuário eletrônico e eliminação de documentos em papel.

A meta é automatizar todos os processos, reduzindo a zero o uso de materiais como fichas de atendimento, de controle de pacientes e internações, entre outros.

No projeto, a IBM adequou a infraestrutura de TI da instituição de saúde para permitir a troca do ERP então em uso pelo da gaúcha MV.

Maior grupo hospitalar do DF vai de MV

O Hospital Maria Auxiliadora, de Brasília, acaba de adotar o sistema de gestão da porto-alegrense MV.

A instituição é integrante do grupo formado pelos hospitais Santa Lúcia, Santa Helena, Pronto Norte e Centro Radiológico de Brasília (CRB), todas já usuárias da solução gaúcha.

“Somos o maior grupo hospitalar do Distrito Federal”, garante o gerente de Tecnologia do Hospital, Pedro Gomes.

E3 automatiza Hospital de Clínicas de POA

O Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) adotou o Elipse E3, software supervisório da gaúcha Elipse, para automatizar os setores elétricos e de utilidades.

Foram implantadas duas cópias da solução, ambas instaladas na sala de operações do hospital e rodando com licenças para Hot-Stand-By, em um projeto assinado pela integradora JMD Produtos Eletrônicos, da capital gaúcha.

Hospital de Alagoas otimiza gestão com MV

Agilizar o processo de faturamento e melhorar o controle de estoque.

Estes foram os objetivos do Hospital Universitário Professor Alberto Antunes, da Universidade Federal de Alagoas, ao contratar a solução de gestão de saúde da MV.

E foram atingidos: implantado em 100 estações de trabalho em uma primeira fase, o software encerrou a operação manual dos processos, além de integrá-los, segundo conta o gerente de Contas da MV, Emídio Martins.

MENSAGEM DA SAÚDE
MV e Human: SMS para hospitais

Com o acordo, os hospitais que utilizam o Soul MV podem exportar seus dados para envio de SMS do software para a plataforma de envio da Human Mobile, que agora é a única do mercado compatível com o ERP.

AGILIDADE E ECONOMIA
União Saúde: nuvem com MS

Com Office 365 na nuvem, operadora catarinense de plano de saúde otimiza infra e economiza.

AUDITORIA
E&Y de olho na saúde brasileira

Pesquisas indicam que o setor deverá ter alta 9,19% no faturamento neste ano, estimulado pela expansão de 2,22% no volume de vendas.