Sonda Utilities aposta em smart grid com Elektro. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Sonda Utilities, divisão da multinacional chilena de TI dedicada a projetos de serviços e energia, apresentou seu primeiro projeto de smart grid, desenvolvido junto à Elektro, distribuidora de energia que atende o interior de São Paulo.

O projeto consiste em substituir todos os medidores eletromecânicos das residências de São Luiz do Paraitinga, município que concentra 5,5 mil habitantes, por medidores digitais inteligentes, que passam a funcionar a partir de março de 2015.

O processo marcou o início da oferta de smart grid da Sonda Utilities, que nasce já com o respaldo de uma marca estabelecida como a Elektro.  Serão investidos R$ 18 milhões até a finalização do projeto.

A integradora trabalhou junto a Elektro em mais de seis mil horas de desenvolvimento para adequar suas soluções CS (Commercial Solution) e MS (Mobile Solution), tornando-as aderentes a uma rede inteligente.

Na prática, os sistemas da Sonda transmitem dados referentes ao processamento das informações de cadastro, leitura, medição, faturamento, arrecadação e cobrança, passando também pela gestão de serviços de campo a partir da utilização de tecnologias móveis.

"O diferencial da Sonda Utilities envolve seus sistemas CS e MS, que estão aptos para o atendimento de modernas estruturas, prerrogativa que os fazem capazes de comportar as soluções de smart grid", comenta Antonio Camilo Zago, gerente de projeto Elektro responsável pela customização dos sistema CS e MS.

Para Daniel Picchi, engenheiro de Medição e Tecnologia da Elektro, o laboratório desenvolvido na cidade de São Luiz do Paraitinga servirá como modelo de referência para a Elektro expandir o projeto para outras regiões do país onde tem atuação.

"O objetivo é aplicar as diversas tecnologias existentes no mercado, adaptando os processos internos, e criar um modelo de referência sobre os benefícios das Smart Grid e como poderá ser feita a sua expansão", relata Picchi.

As expectativas da distribuidora ficam por conta do relacionamento mais próximo que terá com o consumidor, pois um dos fatores da iniciativa é que o cliente passará a ter acesso ao seu consumo de forma mais detalhada.

De acordo com Rivaldo Ferreira, diretor executivo da Divisão de Utilities da Sonda, a expectativa é ampliar esta experiência para outras distribuidoras de energia e embarcar na oferta toda a tecnologia disponibilizada pela integradora.

“O mercado está numa fase de transição na adoção das tecnologias, projetos mais abrangentes começam a sair do papel e o compromisso da Sonda Utilities é acompanhar esta transição e suportar seus clientes com soluções flexíveis e robustas. Estimamos que, nos próximos anos, boa parte de nossas receitas da divisão virão de projetos nesta área”, finaliza Ferreira.

A adoção do conceito de smart grid, ou redes inteligentes, passou a ser um dos alvos das áreas de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) das companhias distribuidoras de energia elétrica.

Segundo dados do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), o Brasil possui atualmente cerca de 200 projestos de smart grid, com investimentos aproximados de R$1,6 bilhão em esquisa e desenvolvimento (P&D), envolvendo 450 instituições.

Deste total, 126 centros pesquisa, desenvolvimento e inovação no Brasil estão relacionados ao fornecimento de energia. Entre as concessionárias já investindo nesta tecnologia estão a Light (RJ), que este ano investiu cerca de R$ 750 milhões na aquisição de 1 milhão de medidores eletrônicos e rede de comunicação inteligente.

Outra foi a paranaense Copel, que iniciou em junho um projeto piloto de redes inteligentes em Curitiba, abrangendo três bairros da capital, convergindo com os sistemas de outras estatais, como Sanepar e Compagás, para efetivar um procedimento de controle e medição compartilhado.