Tec de Monterrey adota SAP. Foto: divulgação.

O Instituto Tecnológico de Monterrey, a maior universidade privada do México, é a primeira instituição de ensino superior da América Latina a apostar em tecnologia da SAP para fazer toda a gestão de seus recursos humanos.

Conhecido no país como o Tec, a universidade está implementando uma combinação do módulo de RH da SAP HCM instalado nos seus servidores com tecnologia na nuvem da SuccessFactors.

O pulo do gato do projeto é que a instituição e a SAP customizaram o módulo HCM para rodar nativamente requisitos relativos à Previdência Social, impostos trabalhistas e outras regulações mexicanas.

Juntamente com as caraterísticas particulares de uma folha de pagamento de professores (o fato que um professor pode ser também um funcionário da insitituição, a diversidade de cargas horárias e níveis de pagamento, por exemplo) a questão legal é o grande empecilho para a maior penetração de sistemas de gestão multinacionais no mercado de ensino da América Latina, incluindo o Brasil.

No Tecnológico de Monterrey, que tem quase 100 mil alunos e 10 mil professores em mais de 30 campus no México, a gestão de recursos humanos era feita por seis sistemas em seis faculdades diferentes.

A combinação incluía soluções da Ellucian, uma multinacional americana especializada em software de gestão para a área de educação, a própria SAP e mais provedores locais do México. Boa parte da gestão se dava por meio de planilhas de Excel ou de uma série de desenvolvimentos próprios na solução da Elucian.

Agora, a parte “dura” do RH (folha de pagamento, por exemplo) será feita no módulo HCM, cuja customização para a o Tec será o novo standart para o México, e a gestão de carreiras, treinamento e outras coisas da área no SuccessFactors.

(Os sistemas de cobrança e gestão acadêmica dos alunos, outra dor de cabeça para instituilções de ensino superior latinas buscando implementar soluções de multis feitas para a realidade do ensino superior americano e europeu, não está incluído nesse projeto).

O Tec é certamente a instituição certa para a SAP (que com certeza assumiu parte do custo da customização para criar o seu módulo tropicalizado) fazer a sua vitrine no mercado educacional latino.

A instituição tem laços próximos com gigantes empresariais do país como a engarrafadora da Coca Cola FEMSA e a cimenteira Cemex (dois clientes da SAP, por sinal), forma a elite empresarial mexicana (quase 20% das maiores empresas são dirigidas por ex-alunos) e é ousada no uso de novas tecnologias (lançou o primeiro MOOC da América Latina em parceira da Coursera, no qual, aliás, 5% dos alunos são brasileiros).

Agora é ver se um eventual sucesso do projeto no Tec pode servir para alavancar a presença da SAP entre as universidades brasileiras, que ainda apostam em grande medida em sistemas desenvolvidos em casa, fornecedores nacionais, ou, pior ainda, no ERP Peoplesoft da Oracle.

Em 2011, a Anhanguera, então uma das maiores instituições de ensino superior privada do Brasil, anunciou a implementação do Peoplesoft. Também são clientes a Estácio de Sá e a Mackenzie. As três compartilham o estilo de gestão mais empresarial do Tec.]

Nem tudo são flores para a Peoplesoft, no entanto. A Unisinos, universidade do Rio Grande do Sul que implantou a solução em 2005 a um custo de R$ 15 milhões com planos de expandir a mesma na rede de ensino médio jesuíta no Sul, acabou dando a volta atrás em 2012, implementando o RM, da Totvs.

* Maurício Renner viajou ao México a convite da SAP.