Paulo Marcelo.

A Resource,  uma das maiores empresas brasileiras de serviços de TI, anunciou uma troca no seu comando nesta quarta-feira, 14: a posição de CEO passa a ser de Paulo Marcelo, ex-CEO da Capgemini no Brasil, enquanto o fundador da empresa, Gilmar Batistela, passará a atuar como chairman do conselho de administração.

Em nota, a companhia destaca que a ideia é que os dois executivos atuem de forma “sincronizada”, com Marcelo a cargo das operações e Batistela na estratégia de internacionalização da companhia, inovação e aquisições. 

“Seremos a maior integradora de transformação digital do Brasil”, afirma Marcelo. “Enquanto a grande maioria dos prestadores de serviços de TI no Brasil ainda estão focados apenas em ofertas que demandam mão de obra intensa, nos diferenciamos cada vez mais como um fornecedor estratégico de inteligência”, completa Batistela.

A Resource pode ter o posicionamento estratégico, mas ainda fica devendo em tamanho frente aos líderes de mercado. No ano passado, a companhia faturou R$ 435 milhões, uma alta de 5% frente aos resultados de 2014.

O resultado ficou abaixo dos 12% registrados em 2014 e da meta de 10% projetada para 2015, mas, tendo em conta o deterioramento do cenário econômico foi considerada positiva.

Na nota sobre a troca de comando, Batistela revela que a meta da companhia é dobrar o faturamento em três anos e atingir cerca de R$ 1 bilhão de receita anual até 2021. Os planos incluem abrir capital na bolsa em três anos. 

Agora é ver se o novo comando emplaca. O sucesso de uma transição como a proposta pela Resource não é garantido, como é possível ver pelo caso da Totvs, onde um projeto similar foi mal sucedido.

Recapitulando: em julho de 2015, Laércio Cosentino, fundador da Totvs, anunciou um processo de transição de comando com Rodrigo Kede, um executivo de carreira da IBM, envolvendo uma divisão de poder por três anos. Seis meses depois, Kede estava de volta na Big Blue e hoje o processo de transição da Totvs está fora da agenda.

A Resource tem a seu favor o perfil de Marcelo, um executivo mais sênior e com uma experiência profissional mais diversificada que Kede, que fez toda a carreira na IBM, indo de trainee até o topo.

Marcelo, por outro lado, foi CIO de empresas antes de fundar a Unitech, uma companhia local de TI que depois se fundiu com a Braxis em 2007, formando o embrião da CPM Braxis, adquirida pela gigante francesa Capgemini em 2010. Dentro da Capgemini, o executivo galgou posições até assumir o comando no Brasil, em 2014.

Toda essa experiência com aquisições conta pontos na Resource, que já adquiriu dez companhias para complementar sua estrutura e deve voltar ao mercado no ano que vem, tanto no Brasil como no exterior.

A empresa já atua em cinco países e acaba de abrir seu terceiro escritório nos Estados Unidos e de iniciar suas operações no México. Além disso, a Resource tem unidades no Chile, Peru e Colômbia. 

Nos últimos três anos, Batistela, esteve pessoalmente envolvido no processo de internacionalização, se dividindo entre o Brasil e os Estados Unidos. Com esse novo ciclo, a meta é aproximar ainda mais a Resource de startups no Vale do Silício, identificando soluções inovadoras para futuras aquisições.

Elas devem ajudar a incrementar o peso do faturamento vindo de fora, que ainda ficava na faixa dos 10% em 2015. 

Com cerca de 3 mil colaboradores e mais de 300 clientes, a companhia possui 18 escritórios, com matriz em São Paulo e filiais em Alphaville, Americana, Campinas, Salvador, Recife, Belo Horizonte, Curitiba, Itajaí e Porto Alegre.