Sede da Oracle é um dos cartões postais do Vale do Silício. Foto: https://www.flickr.com/photos/hollyward

A Oracle vai transferir sua sede de Redwood Shores, na Califórnia, para Austin, no Texas, em mais um exemplo do que parece ser o começo de uma debandada de grandes empresas do Vale do Silício.

Fundada na vizinha Santa Clara em 1977, a Oracle fatura US$ 39,5 bilhões e é uma das empresas que ajudaram a definir a informática corporativa nas últimas décadas.

O anúncio da Oracle acontece duas semanas depois da HPE, outro ícone do setor de tecnologia, mudar sua sede de San Jose, também no Vale do Silício, para os arredores de Houston.

A HP, companhia da qual a HPE descende, foi fundada em 1939 em uma garagem de Palo Alto, sendo uma das fundadoras de toda a mitologia relacionada com empresas criadas em garagens da região, que inclui também nas gerações seguintes Intel, Apple, Google e um longo etc.

Nos dois casos, a combinação de fatores que motivou a decisão foi a mesma: altos aluguéis, salários e impostos, uma realidade no Vale do Silício há tempos, combinados com o catalisador do coronavírus, que introduziu home office em massa e levou às empresas a questionarem sua maneira de fazer as coisas.

A conta é fácil: com a mudança, empresas como a Oracle e HPE podem vender ou alugar escritórios na Califórnia por preços ainda relativamente altos, enquanto reabrem operações menores no Texas, onde a carga tributária é menor.

Uma parte dos funcionários passa a trabalhar em casa. Para os que se mudam para a nova sede, os aluguéis são menores, o que torna os salários mais atrativos.

Austin já tem operações da IBM, Dell e Samsung e é conhecida mundialmente pela vida cultural encapsulada no badalado SXSW, se tornou um pólo atrativo para startups na última década.

Há algum tempo começam a surgir indícios de que o Vale do Silício, um sinônimo de inovação (pensem em todos os outros lugares que se chamam Vale de Alguma Coisa), está entrando em decadência.

Um dos principais problemas é o aumento do valor dos aluguéis. Em São Francisco, a maior cidade do Vale, um apartamento de um quarto custa em média US$ 3,700 por mês, o que acaba inflacionando os salários que precisam ser pagos para atrair profissionais.

Segundo dados citados pelo The Register, o custo do aluguel em Houston e o custo de vida em geral é 33% menor. O Texas como um todo já abriga 50 empresas do ranking Forbes 500.