Decisão de reabertura será individual para cada um dos 160 escritórios. Foto: divulgação.

A Salesforce dará a todos os funcionários a opção de trabalhar em casa pelo resto do ano, mesmo que seus escritórios sejam reabertos antes disso.

Segundo o site Business Insider, a empresa prevê tomar as decisões de reabertura individualmente para cada um dos 160 escritórios, de acordo com a situação de cada cidade e com as diretrizes do governo local e de especialistas médicos.

Na Ásia, onde as empresas estão abrindo lentamente, a Salesforce começará a reabrir escritórios ainda este mês. Já sobre a sede, que fica em São Francisco, nos Estados Unidos, a empresa não fez uma previsão. 

"Não vamos abrir as portas e ter todos na empresa de volta às suas mesas no primeiro dia. Em vez disso, estamos vendo o retorno como uma abordagem em fases, começando pelos funcionários que são mais críticos para as operações do escritório", escreveu Elizabeth Pinkham, chefe global de imóveis da Salesforce, em um post.

Para o retorno, estão na lista exigências como a disponibilidade imediata de testes virais e de anticorpos para o coronavírus.

Ainda de acordo com a publicação, a Salesforce vê a crise do coronavírus em três fases: resposta à crise, recuperação e reabertura e o novo normal. No momento, as empresas estariam entrando nessa fase de recuperação e reabertura.

Recentemente, a empresa lançou um conjunto de produtos para orientar as organizações neste processo, incluindo ferramentas para rastrear os dados de saúde dos funcionários e um software de gerenciamento de turnos.

O Facebook, que anunciou a abertura dos escritórios para julho, também permitiu que os funcionários trabalhem em casa até o final de 2020, enquanto o Twitter disse que os seus poderão fazer home office permanentemente.

No Brasil, os 2,7 mil funcionários da XP, uma das maiores corretoras do país, também poderão trabalhar em casa até o final do ano. A primeira brasileira a adotar a solução ainda estuda tornar o modelo permanente. 

A Salesforce é líder absoluta em sistemas de gestão de relacionamento com clientes e tem uma participação de mercado maior do que as duas concorrentes, SAP e Oracle, juntas.

Em 2018, foi o player que mais ganhou participação no mercado mundial de CRM, saltando de 1,2 ponto percentual para 19,5%, com vendas totais de US$ 9,4 bilhões.