Andréia Barone, gerente geral da Unseen no Brasil. Foto: Divulgação.

O aplicativo Unseen iniciou sua presença no Brasil com a abertura de um escritório em Porto Alegre. Focado em estudantes universitários, o app permite o compartilhamento anônimo de fotos e textos. 

Criado pela startup norte-americana Bearch, o app conecta usuários de uma mesma universidade, fornecendo um lugar para compartilhar pensamentos e experiências, sem medo de repercussões ou julgamentos.

Ao ingressar no app, o usuário seleciona a universidade da qual faz parte. Não há nenhum tipo de “fiscalização”, então é permitido que qualquer pessoa escolha fazer parte da rede de uma universidade. A partir disso, pode interagir com pessoas e postagens dessa rede, mas é permitido visualizar posts de qualquer universidade.

O Unseen é diferente das redes sociais convencionais pois não exige que os usuários tenham um perfil, amigos, conexões ou seguidores. Cada usuário recebe um avatar aleatório, e a cada nova interação, ele muda, não sendo possível traçar um histórico ou acompanhar as postagens de uma mesma pessoa.

“Há postagens de todos os tipos, pois as pessoas se sentem livres para falar sobre qualquer assunto. Muitas relatam situações que aconteceram no relacionamento e pedem conselhos”, explica Andréia Barone, gerente geral da Unseen no Brasil.

Em universidades de Porto Alegre, a maior parte das postagens são relativas a sexo e relacionamentos, mas há pedidos de sugestões de seriados, conversas sobre shows da cidade e reclamações sobre o clima.

O app foi desenvolvido com sistema de criptografia ponta-a-ponta, que protege o conteúdo e envia mensagens codificadas, as quais apenas o receptor tem acesso. O conteúdo compartilhado de forma privada só pode ser visto uma única vez pelo usuário, e não fica armazenado no programa.

Embora outros aplicativos anônimos já tenham aparecido no mercado - como o Secret - muitos coletam dados sobre o usuário, mesmo mantendo o anonimato, como endereço de e-mail, número de telefone ou geolocalização. No Unseen isso não acontece.

Lançado em maio de 2014 para estudantes da Texas A & M University, o Unseen foi criado por Michael Schramm e Munjal Budhabhatti, co-fundadores da Bearch - empresa baseada em Austin. O alcance do app cresceu e se espalhou por diversos campus dos Estados Unidos e Canadá. 

Em agosto do ano passado, a empresa recebeu um aporte de US$ 2 milhões. 

Como parte da estratégia de expansão, a multinacional abriu um escritório em Porto Alegre no final de 2014, de onde fará o lançamento do app para outras cidades do país. No Brasil, a ideia é estar em mais dez capitais ainda em 2015, e também atingir um milhão de usuários até dezembro.

No país, a liderança da empresa fica com Andréia Barone, que no ano passado estagiou na área de prevenção contra violência da Organização Mundial da Saúde (OMS). Formada em administração pela UERGS e com mestrado feito no exterior, Andréia atualmente cursa políticas públicas na UFRGS.

A escolha por Porto Alegre teve como um dos fatores importantes o número de universidades grandes da região. Na capital gaúcha, a empresa está investindo em marketing - como divulgação no programa de rádio Pretinho Básico, da Rede Atlântida - e interação nas redes sociais. A Unseen também promoveu uma festa de lançamento do app.

Depois de atingir a meta de um milhão de usuários, a empresa irá investir na expansão para a América Latina.