Hospital Municipal de Parelheiros. Foto: divulgação.

A Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM) adotou o Tasy EMR, sistema de gestão de saúde da Philips, para gerenciar os dados dos pacientes do Hospital Municipal de Campanha (HMCamp) do Anhembi e do Hospital Municipal de Parelheiros, ambos na cidade de São Paulo.

Com a pandemia, a instituição precisa atualizar o governo em tempo real, com todas as informações geradas no banco de dados, incluindo o número de casos confirmados de Covid-19, o índice de ocupação dos leitos disponíveis e o controle de altas realizadas.

Para agilizar o processo, a SPDM implementou a solução para gestão dos leitos nos dois hospitais, o que aconteceu rapidamente, pois a associação já utilizava o Tasy em 15 hospitais, 10 ambulatórios, seis farmácias e em três prontos-socorros.

“Já estávamos familiarizados com a estrutura do software e sua capacidade de gerenciar dados no ambiente de saúde, portanto não hesitamos em implementá-lo para nos ajudar a gerenciar as informações dos pacientes durante esta pandemia”, conta Brenno Martins, gerente de TI na SPDM.

Além disso, a unidade de Parelheiros instalou prontuários e prescrições eletrônicos, o que deve auxiliar em uma coleta de dados mais rápida. 

Na prática, o Tasy integra todas as áreas das instituições a fim de otimizar vários processos, incluindo entrada mais rápida e segura de pacientes no hospital, tomada de decisão clínica com base em dados relevantes e padronização de processos e protocolos para ajudar a melhorar o gerenciamento dos pacientes com Covid-19.

Segundo a Philips, a interoperabilidade de dados tem sido um grande desafio no setor de saúde há anos e a pandemia da Covid-19 destacou a necessidade de um compartilhamento de informações mais amplo, abrangente e eficiente para relatórios de saúde pública.

Embora os sistemas de registros médicos eletrônicos (EMR) existam há anos, a empresa aponta que os dados de outros sistemas dentro de uma instituição muitas vezes não fluem para o EMR e dificilmente conversam entre si.

"O Tasy permite a criação de um banco de dados único, qualitativo e integrado, oferecendo qualidade e redução de custo para as instituições de saúde. Além disso, o sistema ajuda na rápida tomada de decisão, essencial neste momento muito delicado que vivemos", afirma André Toledo, general manager da área de Health Systems da Philips do Brasil.

Em 2019, o segmento de tecnologia de saúde da Philips alcançou € 19,5 bilhões em vendas e emprega cerca de 80 mil colaboradores em mais de 100 países.

Recentemente, o hospital de campanha localizado no Complexo Esportivo do Ibirapuera, em São Paulo, também adotou o Tasy. Neste caso, o responsável pela administração da instituição é o Serviço Social da Construção Civil do Estado de São Paulo (Seconci-SP).

O Hospital Municipal de Campanha (HMCamp) do Anhembi, localizado na zona norte da capital, é o maior da cidade de São Paulo, com 1,8 mil leitos para pessoas com Covid-19 e 72 de UTI.

Já Hospital Municipal de Parelheiros está localizado no extremo sul da capital paulista com 20 leitos de UTIs e cerca de 250 leitos hospitalares, sete salas cirúrgicas e quatro salas direcionadas ao centro obstétrico.