Pão de Açucar gere compras com Mercado Eletrônico. Foto: reprodução

O Grupo Pão de Açúcar (GPA) implantou o módulo de e-Business Intelligence da solução do Mercado Eletrônico (ME), plataforma de transações de compra e vendas entre empresas na América Latina.

O diretor de Compras do GPA, André Cruz, explica que a solução, usada por mais de quatro mil usuários, garantiu o controle de todas as fases do processo de compra do grupo.

“O tempo de atendimento diminuiu em cerca de 10%”, afirma o executivo.

Algumas das áreas mais beneficiadas, segundo ele, foram as de compras de indiretos e de e-procurement, com monitoramento das transações eletrônicas de serviços ou produtos relacionados.

A ferramenta também permite acompanhar os dados pelo Tracking de Transações, com monitoramento das atividades dos usuários e fornecedores, o que pode reduzir custos operacionais e administrativos.

“Conseguimos transformar o modelo de gestão da área, avaliar performances individuais e identificar pontos de melhorias”, avalia Cruz.

Já Marcela Magnavita, gerente de Compras do GPA, a plataforma foi fundamental para elevar a área de compras ao patamar multiempresa com que o grupo trabalha, gerindo as marcas Extra, Pão de Açúcar, Casas Bahia, PontoFrio e Assaí, entre outras.

“Os gestores têm maior visibilidade de dados, o que agiliza o processo e permite identificar causas de possíveis problemas. Dessa forma, os colaboradores têm mais segurança para tomar decisões”, destaca ela.

Há cerca de três meses o Pão de Açúcar fez outra ação no sentido de reunir suas marcas, mas esta no e-commerce, com a abertura do Extra Marketplace, portal que unifica as ofertas das lojas do grupo.

O investimento inicial em marketing e tecnologia da plataforma, que de cara trouxe 24 lojas parceiras, ultrapassou os R$ 10 milhões.

O Grupo Pão de Açúcar encerrou o primeiro trimestre de 2013 com receita líquida de R$ 13,383 bilhões, alta de 10,2% sobre o mesmo período do ano anterior.

Disso, o segmento alimentar participou com R$ 7,383 bilhões, enquanto a ViaVarejo – que reúne Casas Bahia, Ponto Frio e Nova Pontocom – entrou com R$ 6 bilhões.

O cliente soma-se a outras 60 mil empresas que utilizam a plataforma do Mercado Eletrônico, gerando mais de R$ 60 bilhões em transações por ano.