Ninguém sabe se os aparelhos estão habilitados. Foto: site da Claro.

Já virou uma verdade estabelecida a tese que a média dos palpites de um grupo de pessoas sobre um determinado assunto se aproxima mais da verdade – acertando na mosca, inclusive - do que cada previsão individual.

James Surowiecki, que formulou a tese em A Sabedoria das Multidões, trazendo inúmeros exemplos favoráveis, pode ficar tranquilo.

A reportagem do Baguete Diário encontrou a exceção que comprova a regra da tese defendida pelo economista americano: as telecomunicações brasileiras, que simplesmente desafiam qualquer tentativa de compreensão.

Posso dizer isso com tranquilidade porque é o que prova um recentemente experimento do portal sobre o assunto.

[Estou falando do Bolão da Claro, no qual os leitores foram convidados a adivinhar quantos dias a operadora demoraria para habilitar o chip do novo celular do diretor do site, Gerson Leonini, em troca de uma caixa de bombons].

Pois bem, esta quarta-feira, 15, marca 21º dia no qual Leonini está esperando a habilitação do seu chip e ninguém vai levar a caixa de Amor Carioca.

O bolão foi aberto na terça, 07, e a média dos apostadores previa uma solução para o problema  em 4 dias, arredondado para cima. O apostador mais pessimista disse que o chip estava habilitado hoje. Média e extremo errados.

Apostadores que acreditam no marco regulatório das telecomunicações disseram que Leonini deveria abrir um chamado na Anatel e a solução viria numa média de quatro dias. Ele abriu, e uma semana já passou.

Já outros participantes apostaram na capacidade de influência da mídia – valeu pessoal – dizendo que a  publicação de uma matéria sobre o assunto despertaria uma reação na Claro e agilizaria a solução do problema. Eles estavam certos, em parte.

Depois da publicação da matéria, Leonini recebeu ligações da diretoria regional e da assessoria de imprensa da Claro no dia seguinte.

Infelizmente, elas não fazem muita diferença no sentindo de promover a habilitação do chip, o que levanta um questionamento interessante sobre se alguém, afinal, consegue fazer o sistema funcionar.

Mas não somos pessoas que se deixam abalar pelas vicissitudes da vida, mesmo quando elas vem na forma de situações kafkianas em relação à habilitação de um chip para celular.

Por isso, o Baguete Diário tem três anúncios a fazer em relação ao tema.

1] Gerson Leonini está a disposição de pesquisadores sobre privação de uso de celular. Com certeza, ele é uma das pessoas no Brasil há mais tempo sem fazer uso do aparelho.

2] O Baguete Diário está lançando uma série chamada Histórias de Horror, dedicada a divulgar exemplos de péssimo atendimento por parte de operadoras de celular e outros prestadores de serviço. É injusto falar só da Claro, quando, no final das contas, o mercado todo atende mal. Sejam meus convidados.

3] Estamos abertos a sugestões de leitores sobre o que fazer para conseguir habilitar essa linha. Por favor, pensem fora da caixa. Ninguém aqui aguenta mais ouvir falar de protocolos e agências reguladoras. Queremos coisas grandes, na linha de uma campanha viral com mariachis cantando algo para Carlos Slim.