CENSO ASSESPRO

Empresas de TI preveem ano de alta

15/08/2012 10:18

De 285 empresas, 60% prevê crescer 50%. Já 7% ainda mais otimistas projetam dobrar ganhos.

TI brasileira otimista sobre 2012. Foto: Flickr.com/mafleen

Tamanho da fonte: -A+A

As empresas de TI do Brasil projetam um 2012 de crescimento: de 285 companhias ouvidas para o primeiro censo do setor realizado por Assespro e MBI, 60% preveem encerrar o ano com aumento entre 10% e 50% no faturamento.

O levantamento foi feito entre maio e julho, com empresas de 19 estados, sendo 21,8% com sede no Paraná, 16,8% em São Paulo e 11,9% em Minas Gerais – locais com maioria de entrevistadas.

Do total pesquisado, 34% esperam encerrar 2012 com aumento de 10% a 25% do faturamento, enquanto 25,3% preveem alta de 25% a 50%.

Entre as mais otimistas, 11,9% projetam um avanço entre 50% e 100%, enquanto que 7% preveem mais que dobrar de tamanho em 2012.

NA CONTRAMÃO
Do lado contrário, mesmo com as previsões de desaceleração da economia brasileira, apenas 9,2% das empresas apresentam estimativas de estabilidade ou redução do faturamento.

Entre as empresas consultadas, 6% esperam diminuir o faturamento até 5%, ao passo que 3,2% projetam recuo de 5% a 50%.

EXPORTAÇÕES ESCASSAS
Conforme o estudo, as exportações não fazem parte da realidade da grande maioria das empresas do setor.

Do total de ouvidas, 81,1% não exportam.

TIME
Das empresas ouvidas, 45,6% possuem entre um e oito profissionais de desenvolvimento e 58,2%, de um a oito profissionais de TI no quadro de colaboradores.

Considerando o nível de graduação das equipes, os dados preliminares do censo revelam que 37,2% das companhias não possuem nenhum profissional pós-graduado, 31,2% têm entre um e dois funcionários com este nível de escolaridade e 6,3% têm mais de 15 pós-graduados.

Em relação aos profissionais com nível superior, o levantamento mostra que 58,2% das empresas empregam de um a 15 graduados e 6% não contam com nenhum.

CERTIFICAÇÕES
Segundo a apuração, 28,4% das companhias não possuem profissionais certificados e o mesmo percentual mantém de um a dois com esta classificação.

MPS.br À FRENTE
Em relação às certificações empresariais, a mais comum é a MPS.br, níveis E a G, presente em 15,4% das empresas (nos níveis A a D, somente 3,2% são certificadas).

Em seguida, vem a ISO 9000, com 13%.  

O CMMi, níveis 2 ou 3,  está presente em 6,7% das ouvidas.

CLIENTES
O censo mostra que 23,2% das empresas não possuem nenhum cliente com faturamento acima de R$ 60 milhões, enquanto 39,3% delas têm entre um e oito clientes nestas condições.

Do total pesquisado, 46,7% possuem entre um a 15 clientes com faturamento de R$ 3,6 milhões e R$ 60 milhões.

Já 53,3% atendem de 1 a 120 clientes com faturamento anual entre R$ 360 mil a R$ 3,6 milhões.

MICROSOFT NA MAIORIA
O censo também identificou ferramentas de TI usadas pelas empresas do setor.

A maioria, 85,3%, utiliza como sistema operacional a família Microsoft, enquanto que o Linux esta presente em 49,1%1 das empresas.  

A família Apple aparece na quinta colocação, presente em 14,7% das organizações.

Com relação aos sistemas de gerenciamento de bancos de dados, a família SQL Server lidera com 58,2%, seguida pelos licenciados como software livre, com 53%.

Veja também

Censo da web: open source domina

O Brasil acaba de se tornar o primeiro país do mundo a realizar um Censo da Internet nacional.

O estudo, comandado pelo Comitê Gestor de Internet no Brasil (CGI.br) e batizado de Censo na Web.br, tem como objetivo criar indicadores sobre todos os sites hospedados sob o domínio .br.

Para tanto, serão analisados sites de acesso público, com os domínios .br, .com.br, .org.br, .net.br e .gov.br, além daqueles que redirecionam diretamente, via servidor, a partir de um site.br.

Fiep: cai otimismo de empresas do PR

O índice de empresários paranaenses com boas perspectivas para 2012, em relação à economia, é o menor dos últimos três anos, segundo a 16ª pesquisa “Sondagem Industrial”, da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep).

No estudo, 76,9% dos empresários entrevistados disseram ter expectativas positivas para o ano que vem, índice dez pontos percentuais menor do que o de 2010.

Empresas nacionais, mais otimistas que multis

Os executivos de empresas brasileiras estão mais otimistas sobre 2012 que seus colegas em multinacionais.

Brasileiro otimista, economista pessimista

Três dias depois de economistas do Banco Central divulgarem a sexta queda na projeção do crescimento da economia brasileira, o Ipea anuncia que o brasileiro está mais otimista.

As famílias no Brasil apresentaram leve aumento no otimismo, em outubro, com 64,7 pontos, valor 1,6 ponto superior ao apurado no mês de setembro, e superior também ao apurado em outubro de 2010.

Os dados são do Índice de Expectativa das Famílias (IEF), do Ipea.