Lucro da TI no Brasil anda mal. Foto: Shutterstock.

Uma pesquisa divulgada pela consultoria Akurat apontou uma grande diferença nos lucros das empresas de TI brasileiras em relação ao exterior, devido à competição predatória entre as companhias.

Indo contra a maioria das desculpas para os casos de baixa lucratividade, como por exemplo a alta tributação brasileira, a pesquisa comparou os Ebitdas (lucro antes de juros, tributos, depreciação e amortização) das empresas nacionais com a média das estrangeiras.

De acordo com o relatório, no segmento de empresas de integração/outsourcing, as empresas brasileiras, em 2013, tiveram uma média de Ebitda de 3,5%, contra 26,5% na Índia, 17,1% nos EUA e 16,9% no resto do mundo.

Segundo dados do Convergência Digital, a comparação usou um banco de dados com o resultado de 2,2 mil empresas de TI no mundo, contando com três nomes nacionais: Totvs, Linx e Senior Solutions, as únicas listadas na Bovespa.

Além disso, o levantamento listou outras companhias nacionais como Algar Tech, Alog, Ascenty, Atento Brasil, Bematech, BRQ, Cast Informatica, Contax, CPM Braxis Capgemini, CSC Computer, Grupo Mtel, Indra Brasil, Locaweb, Quality Software, Stefanini, Teleperformance CRM e Tivit.

Para a Akurat, o que agrava a diferença nos ebitdas é a competição predatória do mercado brasileiro, com patamares de preços e margens de lucro cada vez mais baixas.

"São margens baixas e muitas vezes negativas com o único objetivo de ganhar mercado", avaliou o sócio diretor da Akurat, Klaus Ehmke.

De acordo com o especialista, o como o mercado de TI opera com escala, muitos projetos de sistemas ficam com margens muito menores do que as estimadas devido a erros na precificação, baixa produtividade ou má estratégia.

“As empresas que têm grande escala ainda conseguem compensar os projetos deficitários com os mais lucrativos, mas as empresas de pequeno e médio porte sofrem muito com os projetos deficitários, que não conseguem se recuperar ao longo do tempo”, explica.