Empregada foi xingada em coreano na linha de montagem.

Uma ex-funcionária da Costech, empresa que faz a montagem dos celulares da Samsung no interior de São Paulo, foi indenizada em R$ 10 mil por ter sofrido assédio moral por parte de um gerente de qualidade coreano.

Segundo nota do Tribunal Superior do Trabalho, o gerente arremessou em direção à linha de montagem um celular com defeito entregue pela funcionária, em meio a insultos em coreano. O incidente aconteceu em maio de 2009.

O celular acabou rebotando e atingindo a funcionária no rosto. Com a linha de produção paralisada, o gerente de qualidade prosseguiu gritando com a colaboradora, que afirma sofrido brincadeiras dos demais empregados desde então.

A decisão observa que a própria empresa reprovou a atitude do gerente, tanto que o suspendeu por dois dias.

MAU HISTÓRICO
As más condições de trabalho da Samsung no Brasil tem recebido atenção da mídia e das autoridades.

No final de 2011, o Ministério Público do Trabalho (MPT) de Campinas concluiu uma investigação afirmando que agressões físicas e psicológicas provocaram quadros depressivos, problemas na saúde de ordem mental e de sistema ósseo-muscular em funcionários da empresa no país.

A fiscalização do Trabalho entende que se trata essencialmente de um problema de diferença cultural, já que também foram registradas queixas similares nas coreanas LG e Hyundai.

A Samsung firmou em agosto um acordo judicial com o MPT se comprometendo a acabar com o abuso trabalhista e pagar uma indenização por danos morais de um total de R$ 500 mil.

O Rio Grande do Sul recebeu no ano passado dois anúncios de investimentos com participação coreana em São Leopoldo, ainda em fase incipiente: a fábrica de chips HT Micron, uma joint venture com capital brasileiro, e uma planta de elevadores da Hyundai.