Alessandra Lima de Castro.

A Omie contratou Alessandra Lima de Castro, ex-diretora de vendas na Totvs, com a missão de estruturar uma nova área de vendas focada em clientes enterprise.

A contratação de Castro, que assume como diretora de Vendas Diretas & Enterprise, faz parte de um reposicionamento estratégico da Omie, que busca crescer entre companhias de maior porte, competindo com empresas como a própria Totvs, na qual a executiva passou os últimos seis anos.

A executiva tem 20 anos de experiência na área de venda e, além da Totvs, passou por empresas como Vivo, Net e Oracle.

"O que me trouxe à Omie foi a perspectiva de atuar em uma empresa moderna, que realmente entrega uma solução que ajuda seus clientes a evoluir", afirma Castro.

Em abril, a Omie anunciou uma mudança de curso, fazendo um corte significativo de pessoal e deixando de lado o foco em pequenas empresas e colocando no foco clientes com faturamento entre R$ 10 milhões e R$ 200 milhões ao ano. 

O resultado veio rápido. Em fevereiro de 2020, empresas de menor porte compunham 97% dos novos clientes, contra 3% de médias e grandes, mas em junho a proporção já tomou outro aspecto: as novas vendas já são 72% versus 28%, respectivamente.

Com a contratação de Castro, a Omie está montando o seu time para atender a esse novo perfil, separado dos 50 mil clientes de menor porte, atentidos por  77 franquias em todo o país.

Em outubro, a Omie trouxe Aurora Suh, ex-diretora de estratégia de negócios da Linx, outra grande empresa de sistemas de gestão, para assumir o cargo de Chief Revenue Officer, ficando a cargo dos times que compõem a cadeia de geração de receita da companhia de sistema de gestão na nuvem.

No mercado de sistemas de gestão, Suh passou ainda pela Totvs, onde foi diretora de operações.

Lançada por Marcelo Lombardo, fundador da NewAge Software, uma empresa de software de gestão vendida para a Toutatis Global em 2013, a Omie se tornou um dos destaques na nova leva de companhias de ERP na nuvem, junto com a concorrente ContaAzul.

Ainda em 2019, a Omie levantou R$ 80 milhões do fundo americano Riverwood Capital, que já investiu em empresas como 99, Mandic e VTex. Em setembro de 2018, outros R$ 25 milhões vieram do fundo Astella.