FOCO NO CORE BUSINESS

Azul: TI impulsiona o ano do cliente

16/01/2013 16:18

Kleber Linhares. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

Este 2013 será o ano do cliente na Azul.

Assim define Kleber Linhares, diretor de Tecnologia da aérea, que é categórico em afirmar o papel da TI neste foco da companhia, dentro do que se destacam ações como a terceirização da infraestrutura com o UOLDiveo.

“Nosso negócio é vender passagem, atender bem ao cliente. Este é nosso core business”, afirma Linhares. “Antes mesmo de iniciar as operações com voos domésticos no país, já procurávamos um fornecedor para realizar o outsourcing completo do ambiente de TI”, completa.

Após um estudo de mercado que escolheo o UOLDiveo, o trabalho incluiu sistemas de base, como ERP e banco de dados Oracle, além de boa parte do datacenter.

Apesar de apostar no outsourcing, a Azul prefere manter a gestão compartilhada da infraestrutura, mas a operação é toda delegada ao UOLDiveo.

Terceira maior companhia aérea do Brasil, a empresa soma 116 aeronaves, 860 voos diários, 100 destinos atendidos no Brasil e cerca de nove mil colaboradores, tendo 15% de participação de mercado.

Uma estrutura que exige bases fortes e agilidade, fatores que não faltaram ao projeto, garante o diretor.

"A operação de uma das empresas que mais cresce no setor de aviação brasileiro foi colocada no ar em apenas três meses pelas equipes deles e nossa, sendo dois meses para implementação e um para testes", relembra ele.

Hoje, o pacote inclui gestão de ambiente de dados com base em ITIL, serviços de infraestrutura híbrida de hosting dedicado e colocation, soluções de virtualização e storage, além de gateway de pagamentos e monitoramento das vendas de passagens aéreas por meio do website e do callcenter.

Um trabalho que deverá ser expandido em razão da fusão com a Trip no ano passado.

“Esta união torna a operação mais robusta e, para acompanhar esse crescimento, o próximo passo com o UOLDiveo deve ser a ampliação do ambiente de dados, além do aumento dos profissionais dedicados à nossa operação”, comenta Linhares.

E o outsourcing de infraestrutura não é o único projeto na mira da TI da Azul, que é formada por seis gerentes de tecnologia e um time de cerca de 50 profissionais, dos quais a maior parte é composta por analistas de projeto.

A equipe estuda as demandas da companhia, define escopo, concebe arquiteturas e terceiriza a programação.

“O cérebro fica aqui, os braços são terceirizados”, define o diretor do elenco, que fica todo localizado em São Paulo.

Um grupo que está trabalhando na integração dos sitemas da Azul e da Trip, que utilizam softwares iguais em muitos casos, mas exigem trabalho na unificação em data center, por exemplo.

E para “o ano do cliente”, outros projetos prometem pipocar com esta mira.

“Teremos de pensar soluções para cliente final. Autoatendimento, mobilidade, aplicações móveis, tudo o que possa oferecer nosso produto com mais facilidade”, ressalta o diretor de TI.

Ações que já vêm em andamento com investimentos como o feito no fim do ano passado na plataforma de emissão de bilhetes eletrônicos interline da Travelport, especializada no processamento de transações para a indústria de viagens.

A Azul implantou também soluções de Through Checkin da companhia que permitem o processamento de mensagens entre empresas aéreas e seus parceiros de interline/codeshare.

Traduzindo, por meio de acordos, a Azul oferecerá aos clientes recursos de interline e checkin em uso pelas companhias aéreas de todo o mundo que participem de sua rede de parceiros, via canais diversos de distribuição.

A empresa também entrou para a Travelport E-Ticket Interchange, instalação de e-ticketing para troca de mensagens de e-ticket interline entre as redes de companhias aéreas participantes, incluindo aliados de outros setores, como companhias de trens, ground handlers e sistemas de distribuição global (GDS).

Atualmente, a plataforma suporta mais de 420 participantes e seis mil acordos de interline/codeshare, processando mais de 650 milhões de mensagens IET ao ano.

“Ganhamos uma funcionalidade crítica que permitirá a agentes de reserva e de viagem atribuírem assentos e emitirem cartões de embarque para conexões do viajante em voos de parceiras e codeshare”, avalia Trey Urbahn, diretor de Receita da Azul.

Segundo ele, o Travelport E-Ticket Interchange tem conectividade com aproximadamente 20 diferentes sistemas de controle de decolagem de todo o mundo.

Veja também

OLHA ESSA
Ninguém xinga a Azul no Twitter

Pesquisa da Social Agency mostra que, em 37.896 tweets sobre Avianca, Azul, Gol e TAM, nenhum comentário sobre a Azul foi negativo.

TUDO AZUL
Azul e Trip fundem operações

Companhia Bozano e a Embraer estariam por trás da fusão, que pode dar à Azul uma fatia de 15% do mercado brasileiro de voos domésticos, contra 38% da TAM e 34,4% da GOL.

Azul triplica call center com CRM Oracle

A Azul Linhas Aéreas triplicou a capacidade de atendimento de seu call center via web com a adoção do Oracle CRM On Demand.

Com a solução, a companhia conseguiu aumentar a operação de 100 atendentes iniciais para 300 em menos de um ano, devido não só a recursos de atendimento, mas principalmente de gestão de todo o relacionamento com o cliente, partindo de tarefas como reserva de passagens, até alterações e pesquisas finais.

Azul recicla 600 kg de equipamentos de TI

A Azul Linhas Aéreas Brasileiras reciclou 600 kg de materiais de redes de cabeamento nos últimos dois anos e meio, desde o surgimento da companhia.

Com o montante, reciclado pelo programa Green IT da Furukawa, cerca de 300 kg de materiais contaminados com metais pesados foram reaproveitados, evitando que fossem depositados em aterros industriais.

Gol gerencia acordos aéreos com Travelport
A Gol acaba de adotar o Interline E-ticket Interchange, plataforma tecnológica da Travelport que facilita o controle e a operacionalização dos acordos aéreos da empresa brasileira.

A plataforma possibilita a emissão de passagens globalmente, mesmo que a empresa aérea parceira opte por emissões no modelo de e-ticket tradicional.

Além do Interline E-Ticket, a Gol também adotou outro produto da Travelport, o ETDBase, que gera um banco de dados de passagens
TAM quer 31% da Trip para crescer na região

A TAM anunciou um acordo para comprar 31% da Trip, companhia aérea regional, transformando um contrato de compartilhamento de voos acertado em 2004, em uma aliança estratégica para crescer regionalmente.

De acordo com a Exame, a TAM prevê que o contrato possibilite a compra de 25% das ações com direito a voto da concedente e o restante em papéis preferenciais.

REMEXIDA
Constantino Jr. deixa presidência da Gol

Executivo sai do cargo em período conturbado, em que a aérea amarga prejuízos milionários, cortes de equipe e de rotas de voo nacionais e internacionais.

EFEITOS DA FUSÃO
TAM deixa Star Alliance

Grupo decidirá nos próximos meses se a TAM integrará a aliança da LAN, a Oneworld, ou se "ficará independente".

EMIRATES, TAP E MAIS
Alert Brasil assume SAC de oito aéreas

Empresa de Campinas torna-se o contact center da Emirates, Tap Portugal, South African Airways e outras no Brasil.

Gol vende passagem aérea no Trensurb

A Gol abriu na última segunda, 02, um ponto de venda de passagens aéreas na estação Mercado do Trensurb, em Porto Alegre.

A companhia, que é pioneira na venda de passagens aéreas em metrôs e nas regiões populares, está apostando no poder de compra da nova classe média brasileira – que representa cerca de 40% dos passageiros da Gol – para turismo doméstico.

Demanda baixa vai decolar passagens aéreas

O setor aéreo brasileiro se prepara para uma temporada de baixa demanda e altas tarifas.

Segundo informa a Folha de São Paulo dessa quarta-feira, 07, o novo cenário é reflexo da demanda retraída, do combustível mais caro e de um crescimento econômico reduzido pela crise europeia.

Empresas como a Gol já elevaram em 7% o preço do quilômetro voado na comparação entre outubro de 2010 e outubro de 2011, segundo o jornal.

VANTs já são 31% da força aérea dos EUA

Os aviões não tripulados já representam 31% da frota militar norte-americana, segundo informa um documento publicado pelo site da Wired.

O modelo de aeronave, conhecido também como VANT e drone, faz parte de um mercado em constante expansão.

Em 2005, por exemplo, apenas 5% da frota militar americana era formada por essas aeronaves. Atualmente, há 7.494 drones em operação, contra 10.767 aviões pilotados.