Cláudio José Franz. Foto: Imed.

A Faculdade Imed, de Passo Fundo, começou a construtir o prédio do que virá a ser seu parque tecnológico, um investimento de R$ 23 milhões no centro da cidade.

Com previsão de conclusão para junho de 2016, o Imedtec terá 13 andares e com mais de 6 mil metros quadrados, distribuídos em módulos com espaços variando entre 40 e 650 metros quadrados

O edifício terá 103 vagas de garagem em quatro andares, um autoditório e salas de videoconferência.

As áreas foco são tecnologia da informação, automação e engenharia, comunicação digital, novas energias, biomedicina e nutracêutica e consultorias.

De acordo com Cláudio José Franz, coordenador executivo do Centro de Desenvolvimento Empresarial da Imed, quatro empresas de TI já adquiriram espaços, totalizando 30% da área disponível.

“É um conceito único na cidade. Nossa expectativa é ter todos os espaços vendidos ainda em 2014”, revela Franz.

De acordo com Franz, o prédio do parque da Imed se inspira no Portal Tecnopuc, construído na PUC-RS, em Porto Alegre. 

O parque da Imed, no entanto, tem um modelo de gestão diferente da maioria das iniciativas do gênero no estado.

O prédio será bancado 100% por investidores, que depois poderão vender ou alugar as salas. É o mesmo modelo que viabilizou a própria Imed, constituída apartir do aporte de 42 investidores da região.

Franz acredita que Passo Fundo tem potencial para se tornar um polo de desenvolvimento de software, uma vez que as empresas locais não tem conseguido absorver toda a mão de obra formada no local.

Hoje, as cinco instituições que oferecem cursos de TI na cidade – a Imed tem um curso de Sistemas de Informação e acaba de aprovar um de Ciências da Computação – tem em torno de 900 alunos.

A Imed não está sozinha na sua movimentação. Em novembro do ano passado, a Universidade de Passo Fundo (UPF), outra instituição de ensino da cidade, lançou o primeiro módulo do UPF Parque, espaço para abrigar e incubar startups e empresas na área de tecnologia.

Nesta primeira fase do projeto, foram entregues 651 m2 de área no Campus 1 da universidade, que abrigarão setores administrativos e a empresa âncora do empreendimento: a MV, desenvolvedora de sistemas de gestão em saúde.