Escritório da Linx em São Paulo.

A Linx decidiu adotar uma política de “home office intercalado” para os seus 3,5 mil colaboradores em todo país, como uma forma de “diminuir a densidade populacional” e conter a propagação do coronavírus.

A medida foi comunicada em nota divulgada nesta segunda-feira, 16.

A Linx não chegou a dar mais detalhes sobre que porcentagem dos funcionários trabalhará desde casa em cada momento, ou quão longos serão os turnos nos quais isso acontecerá.

Nos últimos dias, empresas vem anunciando a decisão de migrar os seus colaboradores para home office.

A Neogrid, com 700 funcionários, e a E-Core, com 320, tomaram a decisão já na semana passada. Ambas decidiram mandar todo mundo para casa até a sexta-feira, 20.

As companhias divulgaram as decisões como uma fase de testes para uma movimentação mais de longo prazo que pode ser tomada no futuro. A Linx está tentando outro tipo de abordagem, mais gradualista.

Pode ter influenciado na decisão o fato da Linx operar por 14 filiais espalhadas por nove estados brasileiros, além da matriz, em São Paulo. Talvez os turnos adotados pela empresa comecem na capital paulista, onde a crise é pior.

O Ministério da Saúde informou neste domingo que subiu de 121 para 200 o número de casos confirmados do novo coronavírus no país. Do total, 136 foram registrados no estado de São Paulo.