Mauricio Centeno, da Estarte.me. Foto: divulgação.

A aceleradora gaúcha Estarte.me quer movimentar o mercado das startups, com uma proposta de unir boa ideias e estratégias bem definidas para empreender, com foco na web.

Criada pelo empresário Mauricio Centeno, a Estarte.me é 100% voltada para o mercado digital, focando iniciativas na área web, marketing online, games e turismo.

Em funcionamento desde o início do ano, após a saída de Centeno do Grupo RBS, onde trabalhava na área de produtos digitais, a aceleradora está em conversações para fechar a sua primeira leva de startups abrigadas.

"O plano é ter um portfolio de 4 a 5 startups por vez, com investimentos iniciais de R$ 15 mil a R$ 20 mil por empresa", explica.

Diferentemente de outras aceleradoras, a estratégia de Centeno é de não ter um processo padronizado para as startups abrigadas. Cada caso é avaliado, com períodos de aceleração, investimentos e participação personalizados.

"Mesmo assim, a ideia é estabelecer ciclos de aceleração de no mínimo três meses e de no máximo seis", revela.

NÃO SE APRENDE NA FACULDADE

Para Centeno, a Estarte.me quer ser uma referência para futuros empresários, que possuem boas ideias e vontade de empreender, mas que buscam as melhores práticas para tocar os seus projetos.

"Ainda é algo comum, principalmente no meio tecnológico. Existem profissionais com o conhecimento técnico e as soluções, mas falta a expertise de administração e conhecimento de mercado para começar", ressalta.

Por exemplo, o empresário afirma que três das startups em conversações para integrar a aceleradora são iniciativas de apps móveis.

"São projetos bem recentes, mas acredito que elas possuem um grande potencial", adianta.

Para alcançar este objetivo, Centeno se cercou de especialstas para dar o apoio necessário, com suporte técnico, de gestão, de marketing e finanças.

Formado em administração e com mestrado em marketing em Bournemouth, na Inglaterra, a aceleradora possui em suas fileiras mentores de companhias como Terra, Dell e RBS, as duas últimas empresas em que Centeno teve passagens como profissional.

"É até curioso, mas no processo de buscar mentores para a iniciativa, acabei descobrindo iniciativas que nem esperava, vindas de pessoas que originalmente convidaria para serem mentores da aceleradora", revela.

Atualmente, a Estarte.me ainda está aberta para aplicações de startups interessadas, que podem entrar em contato pelo e-mail contate.me@estarte.me.

"Como não trabalhamos exatamente no formato de outras aceleradoras, que abrem períodos de inscrições, sempre estamos abertos para avaliar projetos", finaliza Centeno.

INCUBADORAS NO RS
Um pouco atrasado em relação ao resto do país, o movimento de formação de aceleradoras começa a decolar no estado.

A primeiar a abrir, ainda em fevereiro, foi a Ventiur.net, uma aceleradora de empresas composta por 12 sócios-investidores com planos de investir R$ 9 milhões em negócios inovadores até o final de 2015.

Em março, abriu as portas a WOW, com a meta de selecionar, a cada seis meses, cinco empresas de setores como Internet, mobile B2B, agronegócios, biotecnologia, energia, serviços escaláveis, petróleo e gás.

Os aportes variam entre R$ 50mil e R$ 150 mil e entrar no processo de aceleração, podendo receber um aporte adicional ao longo do processo.

A cada dois anos serão investidos R$ 2,5 milhões. A iniciativa é comandada por Jaime Wagner, investidor anjo do portal de share gifting Vakinha, fundador e diretor da PowerSelf e já foi presidente da Plug In.