A OLX Brasil investirá R$ 250 milhões na operação em 2019. Foto: Divulgação.

A OLX, portal de compra e venda online, aumentou em 2,6% sua taxa de autorização em transações utilizando a ferramenta de machine learning da plataforma de pagamento Adyen.

A empresa utiliza os serviços da Adyen para processar todas as compras de produtos pagos - destaques e planos de anúncios. 

Para melhorar a performance, foi feita uma análise detalhada dos dados de pagamento da plataforma pelo algoritmo da Adyen durante oito semanas.

Com o objetivo de ter mais controle e eficiência na prevenção a chargebacks (contestações de compras pelo consumidor que devem ser ressarcidas pelos varejistas), a empresa se uniu a Adyen no último trimestre de 2017 para usufruir da plataforma que reúne os serviços de processamento, adquirência e gerenciamento de risco.

No entanto, regras de segurança mais rígidas podem significar também uma diminuição das taxas de aprovação das compras legítimas. De acordo com dados da Merchant Risk Council de 2018, cerca de 2,5% de todas as transações digitais são bloqueadas em sistemas de antifraude – sem a garantia de que todas sejam fraudulentas.

Para lidar com esse desafio, a OLX e a Adyen criaram uma estratégia baseada em machine learning e uso de dados. Ao analisar a base de informações de pagamentos construída em pouco mais de seis meses, o algoritmo entendeu melhor o comportamento dos consumidores e forneceu insights sobre como otimizar a conversão e aprovar mais transações.

Com isso, o próximo passo foi rever o perfil de risco utilizado na ferramenta de proteção antifraude de pagamentos da OLX. 

Esse perfil é composto por diferentes campos de dados, como localização, e-mail, ticket médio, dados do cartão, produtos no carrinho de compra e histórico do usuário, entre outros. Nele, cada um desses tópicos recebe uma pontuação de acordo com o risco de fraude que representa. 

Uma empresa que costuma vender para determinada região do país, por exemplo, pode determinar que compras realizadas em outras regiões tenham uma pontuação maior, correspondendo a um maior risco de fraude.

Foi então criado um segundo perfil de risco de pagamento reunindo um novo conjunto de regras. O machine learning calibrou as pontuações de cada uma delas de acordo com os dados gerados pelo histórico de vendas da empresa. 

A primeira fase do período de testes durou quatro semanas, entre outubro e novembro de 2018, quando apenas 10% do volume de vendas foi enviado para o novo perfil antifraude de pagamentos. Depois, o volume passou para 25% por mais duas semanas, e para 50% nas duas últimas semanas. 

Todo o volume foi migrado para o novo perfil de risco após oito semanas.

"A preocupação da OLX é sempre oferecer a melhor experiência para nossos usuários. Hoje a Adyen nos apoia em nossas iniciativas de pagamento e sua tecnologia nos permite ter o melhor dos dois mundos: transações financeiras reais aprovadas e um sistema robusto de antifraude de pagamentos barrando tentativas ilegítimas”, conclui Bernardo de Barros Franco, diretor de produto e pagamentos da OLX Brasil.  

Em 2019, a OLX Brasil investirá R$ 250 milhões nas suas operações no Brasil, um aumento de 25% em relação a 2018. O valor será destinado ao aumento da equipe, tecnologia e marketing.

O faturamento da empresa chegou a R$ 312 milhões em 2018, um valor 70% maior que o acumulado em 2017.