Dennis Herszkowicz e Laércio Cosentino.

O Brasil tem pela frente um curto prazo desafiador, mas um bom potencial para superar o desafio do coronavírus e uma perspectiva mais otimista para o médio prazo.

É a opinião de Laércio Cosentino (fundador e presidente do Conselho da TOTVS) e Dennis Herszkowicz (presidente da TOTVS), que estiveram falando sobre o assunto durante uma edição do TOTVS Talks Live, uma série de eventos online com os quais a companhia está levando conteúdo para clientes e parceiros durante a pandemia. 

“Depois dessa crise, teremos uma desconstrução da globalização, o que vai gerar oportunidades para as empresas brasileiras e o fortalecimento regional”, afirmou Cosentino, ecoando a avaliação de muitos economistas que apontam a concentração da manufatura mundial da China como uma vítima dessa pandemia.

Na opinião de Cosentino que fundou e construiu a que hoje é uma das maiores empresas de software do país, o país precisa amadurecer para lidar com a crise e sair do ambiente de polarização.

“Precisamos de menos ‘ou’ e muito mais ‘e’. O foco deve ser em quatro palavras: união, equilíbrio, solidariedade e futuro”, afirmou Cosentino, para quem é possível uma combinação que atenda às exigências sanitárias do combate ao coronavírus, sem destruir a economia do país no processo.

Já Herszkowicz, que assumiu o comando da operação diária da Totvs em novembro de 2018, aproveitou para frisar as medidas que a própria empresa tomou para colaborar na saída da crise, o que não é pouca coisa, tendo em vista que um quarto do PIB nacional roda software da TOTVS.

De acordo com o Herszkowicz, a responsabilidade da TOTVS passa por primeiro, garantir a continuidade de sistemas críticos de ERP e RH em 40 mil clientes, fazer as atualizações necessárias em um ambiente de mudanças tributárias e trabalhistas e agregar novos serviços que possam ajudar os clientes a superar um momento difícil.

“Um exemplo é o segmento de food service, que está entre os mais impactados pelas medidas de quarentena. Rapidamente nos liberamos funcionalidades que permitem conexão com serviços de entrega como iFood para esses clientes”, exemplificou  Herszkowicz.

De acordo com o CEO da TOTVS, a empresa respondeu bem à necessidade de implementar home office em larga escala, devido a uma combinação da orientação estratégica da empresa em torno de metodologias ágeis de desenvolvimento de software com medidas práticas adotadas dentro da empresa como usar notebooks no lugar de desktops.

“A questão dos notebooks parece trivial, mas o fato de nós trabalhamos assim permitiu que os funcionários levassem para casa um equipamento com segurança em nível corporativo no primeiro dia”, revelou Herszkowicz.