Selistre (à esquerda) mostra o imageador térmico. Foto: Pedro Revillion/Palácio Piratini.

Para reforçar o patrulhamento policial no estado com equipamentos de última geração, o governo gaúcho anunciou na tarde desta quinta-feira, 16, dois sensores eletro-óticos e infravermelho - também conhecidos como imageadores térmicos.

Os sensores, repasse do Ministério da Justiça ao estado em decorrência da Copa do Mundo de 2014, serão utilizados em helicópteros da Brigada Militar e Polícia Civil a partir de junho.

O valor investido apenas nos equipamentos para o Rio Grande do Sul, assim como os equipamentos auxiliares e treinamento de cerca de 37 profissionais - da Brigada e Polícia Civil - é de R$ 7,5 milhões.

O equipamento, fabricado pela gaúcha Aeromot, conta com câmeras de alta resolução para filmagem diurna, assim como uma câmera especial infravermelha para visualização noturna e reconhecimento de pontos de calor.

A solução também conta com integração de mapas com as câmeras, o que possibilita a troca de visualização entre pontos rapidamente, através de localizações já pré-definidas na aplicação.

As imagens da câmera e as informações dos mapas também podem ser transmitidas para o solo em tempo real, conforme demonstrado no lançamento da tecnologia no Palácio Piratini.

Os dados podem ser enviados do helicóptero para o Centro Integrado de Operacoes de Seguranca Publica (Ciosp) por meio de um sistema com alcance superior a 50 km, melhorando o tempo de resposta.

A tecnologia, que é uma customização de tecnologias licenciadas pelo Exército Brasileiro e dos Estados Unidos, é um modelo mais sofisticado de outras tecnologias de monitoramento aéreo.

O sistema permite, por exemplo, o reconhecimento facial de pessoas a cerca de 10 km de distância, operando a alturas de até 1,5 mil metros. É possível ver nitidamente uma placa de carro a cerca de 800 metros, distância em que não se ouve o ruído do helicóptero.

Os sensores infravermelho são capazes de localizar de pessoas em regiões de difícil visualização, como em matas fechadas, por exemplo.

Segundo aponta o Tenente-Coronel Carlos Selistre, comandante do Batalhão de Aviação da Brigada Militar, a tecnologia que será utilizada nos helicópteros gaúchos é inédita no mundo.

"Tecnologias semelhantes foram usadas recentemente na busca dos culpados do atentado na Maratona de Boston, e terão um grande peso para o policiamento no estado", afirma.

Segundo afirma a Secretaria de Segurança do Estado, os sensores poderão ser usados em diversas situações. Além do patrulhamento, ele pode ser empregado em operações especiais, investigações, resgates e perseguição a criminosos.

Neste último caso, Selistre citou o incidente ocorrido em Cotiporã no início do ano, em que criminosos explodiram um fábrica de joias, fugiram e se refugiaram em regiões de difícil acesso e visualização área, o que dificultou o trabalho da polícia.

Segundo o oficial, se os policiais já contassem com esse equipamento, a história seria outra. "Com certeza os encontraríamos em pouco tempo", afirma.

SOLUÇÃO GAÚCHA

Fundada em 1967 e sediada ao lado do Aeroporto Salgado Filho, a Aeromot é a empresa responsável pela fabricação e manutenção da tecnologia, não somente em Porto Alegre, mas em todas as doze capitais da Copa do Mundo.

A empresa foi a que levou o contrato do Governo Federal para fornecer a solução de patrulhamento aéreo que será utilizada nas operações de segurança durante a Copa.

Segundo Guilherme Cunha, presidente da Aeromot, o contrado com o governo fica se aproxima dos R$ 100 milhões - uma média de R$ 8 milhões por estado.

A Aeromot também conta com outros contratos no país, com soluções de monitoramento criadas para o Corpo de Bombeiros de Belo Horizonte e a a polícia no Rio de Janeiro

"São contratos menores, de no máximo R$ 3 milhões de reais. Nenhum deles com o grau de sofisticação do equipamento projetado para as capitais da Copa", revela.

COPA DO MUNDO

Porto Alegre foi a primeira cidade-sede do evento da Fifa a receber a solução de imageamento térmico, conforme apontou o representante da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos, José Monteiro Gomes Filho.

"Esta é uma parte dos cerca de R$ 80 milhões previstos para o estado para a segurança pública durante a Copa do Mundo", afirmou.

Outras soluções de tecnologia de segurança que os gaúchos devem receber nos próximos meses são o Centro de Comando Regional, assim como Centros de Comando Móveis para o monitoramento descentralizado de eventos.

Embora os investimentos visem a Copa do Mundo, Gomes Filho destaca que os equipamentos fornecidos permanecerão no estado, uma espécie de "legado da Copa" que ficará a disposição do governo.

Quem já agradeceu foi o governador Tarso Genro, que também esteve presente no lançamento.

"Estas melhorias não chegam apenas para atender a uma demanda de segurança em um evento grande como a Copa do Mundo, mas também servirão às necessidades do estado como um todo", declarou.