RECURSOS

Trybe compra Codenation

16/07/2020 11:59

As duas empresas atuam com formação de mão de obra, ainda que de maneira diferente.

Matheus Goyas, CEO e cofundador da Trybe.

Tamanho da fonte: -A+A

A Trybe, escola de formação em desenvolvimento de software, acaba de comprar a catarinense Codenation, que atua no mesmo mercado, ainda que com um modelo de negócio diferente.

A Codenation atua criando programas de formação de mão de obra baseados em desafios patrocinados por uma empresa, nos quais os participantes recebem gratuitamente formação e tutoria.

O foco é em recém-formados da universidade e sem experiência, quanto profissionais que já trabalham no setor e não conseguem chegar aos polos de tecnologia. 

Desde a fundação, em 2017, a startup já envolveu 50 mil profissionais nos seus programas. Empresas como Itaú, QuintoAndar, Banco Inter e Stone contrataram algumas “centenas” desse total, aponta a Trybe em nota.

Já a Trybe tem uma outra abordagem, baseada no modelo conhecido internacionalmente como Income Share Agreement (ISA), ou, como prefere a startup, Modelo de Sucesso Compartilhado (MSC).

O ISA ou MSC significam a mesma coisa: o aluno faz o curso, mas só paga quando tiver encontrado um emprego acima de determinada faixa salarial, de R$ 3,5 mil no caso da Trybe.

A Trybe, logicamente, busca oferecer formação que garanta emprego rápido para os participantes, e para isso trabalha próximo das empresas, mas não sob medida como no caso da Codenation (melhorar o trabalho de aproximação com o mercado é provavelmente o objetivo maior da aquisição).

"Ao nos tornarmos Trybe, poderemos contribuir de forma muito mais significativa com a carreira de quem está em nossa plataforma, formando do zero ao mercado, sem a necessidade de conhecimento prévio em programação", afirma Eduardo Varela, CEO e cofundador da Codenation.

Em tempos de pandemia, a aquisição se deu sem um encontro presencial entre os CEOs das duas empresas.

“Temos certeza que com a expertise do time da Codenation e as empresas que são parceiras teremos inúmeras novas oportunidades para oferecer para as pessoas que estudam na Trybe”, afirma Matheus Goyas, CEO e cofundador da Trybe.

A Trybe está em alta: recentemente, a empresa recebeu um aporte R$ 42 milhões liderado pelo fundo Atlantico e composto por outros investidores, entre eles Canary, Global Founders Capital, e.Bricks, Maya e Norte. 

Em seguida, a empresa contratou Nelson Mattos, ex-IBM e Google, como conselheiro técnico e pedagógico sênior.

É sem dúvida um reforço de alto gabarito. Mattos foi vice-presidente de Produto e Engenharia do Google para Europa e Mercados Emergentes, engenheiro e vice-presidente de Tecnologias da Informação e do Usuário da IBM, bem como professor da Universidade de Kaiserslautern, na Alemanha. 

Tudo isso para uma companhia fundada em agosto de 2019 que espera chegar a 600 alunos até o final do ano e 3 mil até o final de 2021.

A startup é recente, mas liderada por nomes com algum histórico, com cinco sócios que fundaram em 2012 AppProva, outra startup educacional, essa focada em dados e avaliações. 

Ela foi vendida para a Somos Educação em 2017, quando já tinha cinco milhões de estudantes na plataforma.

Veja também

REFORÇO
Trybe contrata Nelson Mattos como conselheiro

Depois de reforçar o caixa em R$ 42 milhões, startup de educação chama conselheiro de peso.

MÃO DE OBRA
Le Wagon: pague o curso quando tiver um emprego

Mais uma instituição adota o modelo Income Share Agreement (ISA) para pagamento.

DEVS
Recém fundada, Trybe levanta R$ 42 milhões

Startup foca em formação de desenvolvedores de software, um ramo para lá de quente.

SOCIAL
Microsoft e Junior Achievement: curso de HTML e CSS

São 1,4 mil vagas gratuitas para estudantes de escolas e universidades públicas.

VAREJO
Panvel lança programa de conexão com startups

Rede de farmácias quer identificar ou co-criar soluções omnichannel aderentes ao seu negócio.

DIGITAL
Stefanini compra W3Haus

Gigante de TI brasileira faz sua maior aposta no nicho de comunicação digital até agora.

ELEVE
Totvs ataca mercado de startups de ERP

Nova oferta da gigante parece focada em competir com Omie, ContaAzul e Contabilizei.

INFLUÊNCIA
Spark recebe aporte de R$ 8 milhões

Investimento foi liderado pela Apex Partners. Startup nunca faturou tanto quanto em 2020.

INDÚSTRIA 4.0
WEG segue colecionando startups

Adquirida da vez é a BirminD, especializada em analytics para automação industrial.

STARTUP
Deskfy recebe aporte de R$ 1,3 milhões

Rodada de investimento foi liderada pela ACE e contou com Diego Gomes, CEO da Rock Content.

CONTRATAÇÃO
HeroSpark tem novo CTO

Com cerca de 14 anos de experiência, Sérgio Furlaneto vem da startup MadeiraMadeira.