Relatório chega para animar acionistas da TIM. Foto: flickr.com/photos/theseoduk

Parece inacreditável, mas apesar dos tempos difíceis enfrentados pela TIM, com um cenário econômico desfavorável e as pressões regulatórias da Anatel, a empresa figura como a aposta preferida no mercado de ações.

Quem diz isso são os analistas do banco HSBC, responsáveis por um relatório apontando que a empresa, mesmo com as turbulências sofridas, oferece um crescimento superior às concorrentes.

As ações da TIM acumulam uma queda de 5% no ano, contra uma leve baixa de 0,3% da Vivo (VIVT4) e a alta de 13% da Oi (OIBR3; OIBR4). No entanto, a taxa de crescimento anual do Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) em 3 anos para a TIM é de 10,7%, mais que o dobro da média da América Latina (4,1%).

PERSPECTIVAS
Para a TIM, os analistas do HSBC projetaram dois cenários, um pessimista e um otimista.

No cenário pessimista, os analistas projetaram queda na receita média por unidade (ARPU, na sigla em inglês), desaceleração do crescimento no número de assinantes e aumento no investimento, com queda do valor projetado das ações da TIMP3 de R$ 12 para R$ 9.

Já no cenário otimista, os analistas consideraram aumento no ARPU, forte crescimento no número de assinantes e investimento mais baixo, com aumento no valor das ações de R$ 12 para R$ 15.

Os analistas ressaltam que a balança de riscos para o restante de 2012 tende para o lado da baixa, mas mesmo assim mantém a classificação de overweight (alocação acima da média do mercado) e reiteram a preferência pelas ações da TIM no setor das telecomunicações.

REDUÇÃO DE IMPACTOS
Conforme a opinião dos analistas do HSBC, a recente proibição de vendas em alguns estados para a TIM deve ter um impacto mínimo nos resultados do terceiro trimestre (menos de 0,5%), mas pode resultar em um dano prolongado à marca.

A empresa foi acusada de deficiências em seu serviço, como problemas de alcance de sinal e de derrubar intencionalmente as suas ligações.

Na semana passada, o Ministério Público no Paraná divulgou um relatório de fiscalização da agência que acusava a TIM de derrubar intencionalmente a ligação dos clientes do plano Infinity, ganhando com cobrança de novas chamadas.

Outro fator que pode afetar a rentabilidade da TIM serão os gastos na ampliação da rede necessários para atingir as exigências da Anatel. “De forma geral, prevemos que os tempos difíceis terão continuidade ao longo do resto do ano e, sem dúvida, em 2013”, diz o relatório do HSBC.