Criatividade a mil pelo Brasil. Foto: flickr.com/photos/caveman_92223

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) vai selecionar uma proposta de Arranjo Produtivo Local (APLs) de economia criativa em cada um dos 27 estados do país.

As propostas serão recebidas até a segunda-feira, 30.

Os APLs selecionados serão contemplados com o apoio de uma empresa especializada na elaboração do Plano de Desenvolvimento. A consultoria será contratada pelo ministério.

Outras ferramentas de apoio também serão oferecidas, como acesso ao Observatório Brasileiro de APLs, incluindo direito a uma vitrine virtual dos seus produtos e participação da Rede Social dos APLs, ferramenta corporativa para aproximação de pessoas que trabalham com o segmento.

Um APL é uma organização que envolve diversos atores de uma cadeia produtiva, que uma vez constituídos podem pleitear verbas para diferentes finalidades junto a organismos do governo estadual e federal.

Já a definição do que consiste economia criativa varia segundo quem este falando do assunto.

Como o projeto é uma parceria com a Secretaria de Economia Criativa do Ministério da Cultura (MinC) o approach nesse caso é mais folclórico que na maioria das ocasiões, incluindo culturas indígenas e afro-brasileiras,  gastronomia regional, circo e artesanato.

Setores mais tipicamente associados ao conceito de economia criativa também figuram: arte digital, audiovisual, jogos eletrônicos e moda.

EM ALTA
A economia criativa – ou indústria criativa, como preferem alguns – é um assunto em alta no Rio Grande do Sul hoje em dia.

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação alocou R$ 7,7 milhões em um edital de fomento da indústria criativa que tem como estados pilotos o Pernambuco e o Rio Grande do Sul.

Eles devem ser destinados a uma universidade com um parque tecnológico interessada em criar um laboratório com recursos para uso compartilhado por empresas do setor.

Um dos possíveis candidatos é a própria Feevale que, além da incubadora, já anunciou o lançamento do primeiro curso de mestrado em indústria criativa

A outra é a PUC-RS que montou no Tecnopuc em Viamão uma operação chamada Tecna, focada em vídeo, animação e jogos. Já foram instalados no local alguns laboratórios da Famecos, faculdade de comunicação da PUC-RS, a um custo de R$ 300 mil.

No caso do APL, ambas instituições poderão apresentar um projeto conjunto.