Dinheiro é incentivo, e o Prosoft sabe bem. Foto: Flickr.com/wayneandwax

Tem gaúcha entre as oito aprovadas pela Softex para recebimento de recursos do Prosoft, em um grupo que somou R$ 114,7 milhões em aportes, no ano passado: a CST Comércio e Serviços de Informática, mais conhecida como Sadig.

Com sede em Montenegro e unidades em Porto Alegre, Londrina e São Bernardo do Campo, a empresa faz parte de um grupo que também inclui outras duas com presença no Sul: a Zatix, sediada na capital paulista, com fábrica em Santa Rita do Sapucaí e filiais em Alphaville, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre e Rio de Janeiro; e Matera Systems, presente em São Paulo, Maringá, Campinas e Niterói.

A lista se completa com Inmetrics, de São Paulo; Interadapt, de Barueri; Solvo, do Rio de Janeiro; Squadra, com unidades em Minas Gerais, São Paulo, Distrito Federal e Rio; e Alog, presente no Rio, São Paulo e Tamboré.

No ano passado, a Softex registou um total de 170 atendimentos e avaliou 29 processos de solicitação de recursos no âmbito do Prosoft.

Destes, 14 foram concluídos e enviados para a análise do Bndes, pleiteando valores da ordem de R$ 635,9 milhões.

Dos processos encaminhados, 12 foram enquadrados, incluindo planos de anos anteriores, totalizando R$ 462,7 milhões, e o montante final foram as oito contratações listadas, que atingiram R$ 114,7 milhões.

Desde o lançamento do Prosoft, em 1997, a Softex já intermediou R$ 2,2 bilhões em recursos do programa para empresas de software e serviços de TI.

A área de Inovação e Funding da entidade é a responsável pela assessoria ao Prosoft. A instituição também mantém um trabalho de consultoria na área, com o que já beneficiou 194 companhias.

No momento, 11 empreendimentos estão recebendo assessoria da entidade para elaborar seus planos de negócios, que em breve serão encaminhados à análise do Bndes.

“O Prosoft é uma importante ferramenta de financiamento, com impacto concreto no fortalecimento da indústria brasileira de software e serviços de TI”, analisa Carlos Alberto Leitão, gerente de Inovação e Funding da Softex.

Segundo ele, só no primeiro semestre de 2012 a Softex recebeu 135 consultas de interessados em informações sobre obtenção de recursos junto ao programa.

“Como os atendimentos se intensificam na segunda metade do ano, estamos prevendo um 2012 de muito trabalho para nossos consultores”, complementa Leitão.

HISTÓRICO
O Prosoft passou por uma reformulação em 2007, que incluiu o aumento do montante de capital destinado ao programa, além das novas regras para obtenção de financiamento, como o valor mínimo pleiteado de R$1 milhão.

“Ao longo dos anos, o programa vem sendo constantemente aperfeiçoado com ações de redução de custos e aprimoramento das condições de pagamento para facilitar o acesso de PMEs ao capital”, explica o gerente de Inovação e Funding.

Ainda para este ano, outra renovação da inciativa já está prevista, conforme o gestor, e os contatos preliminares com o BNDES apontam para a continuidade do projeto.

PARTICIPANDO
Os aperfeiçoamentos no programa geralmente são sugeridos pelas próprias emprseas, que são monitoradas pela Softex por meio de consultas periódicas.

Com isso, a entidade coleta informações que compila e encaminha ao BNDES.

De acordo com John Forman, diretor de Capacitação e Inovação da Softex, os dados já coletados permitiram evoluções como o aumento do valor dos projetos de investimentos das companhias intermediadas pela Softex, que desde 2007 aumentaram cerca de oito vezes.

SUDESTE E SUL À FRENTE
Ainda na análise de Forman, ao longo do tempo a região Sudeste foi a que mais se destacou na busca de financiamento, seguida pelo Sul.

“As empresas de TI se concentram nessas duas regiões, onde estão importantes mercados consumidores como o financeiro e o de serviços; e é grande o número de companhias de TI de maior porte e já consolidadas nessas duas regiões, que se enquadram nas regras do BNDES Prosoft-Empresa”, avalia o diretor.

BENEFÍCIOS FISCAIS

Já o vice-presidente executivo da Softex, Arnaldo Bacha, explica que a gerência responsável pelo Prosoft também acompanha iniciativas relacionadas com inovação e o uso dos benefícios fiscais disponíveis para tanto.

"Cresce ano a ano o número de empresas atendidas e a combinação Prosoft X benefícios fiscais potencializa o efeito positivo sobre as empresas", conclui Bacha.

CARTILHA
Para orientar os interssados, a Softex disponibiliza em seu site a cartilha eletrônica Fontes de Captação de Recursos para o setor de TI.

O material detalha instituições e modalidades de financiamento governamentais e privadas, incluindo capital semente, fundos de venture capital e de private equity.