O tutorial lançado para a Hora do Código introduz a programação dentro do Minecraft. Foto: Divulgação.

A Microsoft e Code.org divulgaram nesta segunda-feira, 16, um tutorial para ensino de programação baseado no jogo Minecraft.

O material foi criado para a terceira edição da Hora do Código, uma campanha que tem o objetivo de ampliar a participação global em ciência da computação. 

O novo tutorial, disponível online, introduz os usuários no mundo da codificação básica dentro do popular ambiente do Minecraft, que conta com mais de 100 milhões de jogadores e é uma febre entre crianças e adolescentes.

Em setembro, a Microsoft comprou a Mojang, empresa sueca criadora do Minecraft, por US$ 2,5 bilhões.  Lançado em 2009, o game gerou US$ 100 milhões de lucro no ano passado - unindo o jogo e produtos ligados a ele. A Mojang teve um lucro de US$ 115 milhões em 2014 passado e US$ 291 milhões em receita.

Projetado para crianças a partir de seis anos, o tutorial apresenta aos usuários as habilidades básicas de código, encorajando-os a navegar e explorar o ambiente 2D do Minecraft, ligando blocos para concluir ações e gerar códigos.

Os jogadores podem realizar até 14 desafios, seguidos de tempo de jogo livre, para explorar conceitos de codificação que aprenderam através do tutorial.

Até hoje, mais de 100 milhões de estudantes em 180 países participaram do Hour of Code.

A estratégia de misturar recursos de jogos com o ensino de ciência da computação não é nova - muitos devem lembrar da tartaruga do Logo, utilizada como ferramenta de apoio ao ensino de programação. A diferença da iniciativa da Microsoft é utilizar um jogo já popular para apresentar os conceitos educativos.

No Minecraft, os jogadores podem criar um mundo a partir de cubos 3D, usando ferramentas como uma picareta para coletar e manipular os blocos. Hoje, há mais de 1 milhão de usuários ativos jogando Minecraft há qualquer hora do dia.

O jogo pode ser um incentivo para atrair as crianças para a universo da programação, um tema cada vez mais discutido na área da educação. O assunto está se tornando parte do currículo escolar em diversos países.

O governo da Austrália, por exemplo, anunciou em setembro que aulas de programação serão parte do currículo obrigatório para crianças a partir de 10 anos. Para desenvolver a iniciativa, serão investidos cerca de US$ 8,5 milhões para desenvolver as áreas de ensino de ciência, tecnologia, engenharia e matemática.

Ainda em setembro, foi divulgado um plano da prefeitura de Nova Iorque para inserir a ciência da computação em todas as escolas públicas dentro de 10 anos.

Um país com grande avanço no setor é a Inglaterra, que dese setembro do ano passado oferece aulas de programação para crianças a partir de cinco anos de idade nas mais de 160 mil escolas primárias do país.

O novo currículo dá mais importância a habilidades como redação de teses, resolução de problemas, modelagem matemática e programação.